Cistos e alterações benignas na mama: acompanhamento pode ser suficiente

Publicado em: 08/11/2015 - 22:11:00

O diagnóstico de cistos na mama pode gerar preocupação em algumas mulheres. Mesmo nos casos benignos – que são mais frequentes –, há o medo de o tumor se desenvolver para um câncer. No entanto, segundo especialistas, essa probabilidade é bastante pequena e o protocolo exige apenas um acompanhamento clínico mais regular pelo médico.

Alterações nas mamas podem ser encontradas, principalmente, após a realização de dois exames: a mamografia e o ultrassom. A partir das imagens, o radiologista classifica as alterações de acordo com o sistema BI-RADS (Breast Image Reporting and Data System), em uma escala de 1 a 6, determinando o estadiamento da doença:

BI-RADS 0 - Resultado inconclusivo. Necessita da realização de novas imagens mamográficas ou de outros exames, como o ultrassom ou a ressonância magnética.
BI-RADS 1 - Nenhuma alteração nas mamas foi encontrada. Próximo exame pode ser realizado em 1 ano.
BI-RADS 2 - Alteração com características radiológicas benignas foi encontrada. Próximo exame pode ser realizado em 1 ano.
BI-RADS 3 - Alteração provavelmente benigna. Necessário acompanhamento a cada 6 meses.
BI-RADS 4 - Suspeita de malignidade. Necessita de biópsia para confirmação. Subdivididos em: A (baixa suspeita) | B (suspeita média) | C (alta suspeita).
BI-RADS 5 - Alta suspeita de malignidade. Necessita de biópsia para confirmação.
BI-RADS 6 - Resultado comum em exames realizados durante o tratamento pré-operatório de um câncer de mama já diagnosticado. Necessário para acompanhamento da paciente.

"O risco de o cisto simples ser um câncer de mama é muitíssimo baixo", afirma o diretor do Núcleo de Mastologia, Dr. José Luiz Bevilacqua. De acordo com o especialista, o risco de essa alteração ser sintoma de um tumor maligno é menor que 1% e, por isso, não é necessário realizar biópsia, punção ou iniciar o tratamento. Ter vários cistos também não aumenta o risco de desenvolvimento de câncer. "Cistos podem ser múltiplos e isso é comum", esclarece o oncologista.
 

Dores nas mamas

Cistos simples geralmente podem causar dores mamárias, o que traz queixas de muitas pacientes. Esse quadro pode ser revertido a partir da orientação médica, segundo Bevilacqua. "Minha principal abordagem em casos de dores mamárias é tranquilizar a paciente, após descartar qualquer lesão suspeita de ser maligna".

Dr. José Luiz Barbosa Bevilacqua - CRM 78779
Diretor do Núcleo de Mastologia
Especialista em Cancerologia Cirúrgica - RQE nº 44954
Especialista em Cirurgia Geral - RQE nº 44955
Especialista em Mastologia - RQE nº 44956

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam

Veja também

"Tirinhas sem Graça" - Cartunistas deixam a piada de lado e falam sério sobre câncer de próstata
O câncer de próstata é um assunto que deve ser sempre levado a sério. Baseado nesse conceito, o A.C.Camargo divulgou a ação "Tirinhas sem Graça", criada pela agência J. Walter Thompson, com ilustrações de alguns dos principais cartunistas do Brasil sobre a importância do diagnóstico...
462 anos de São Paulo: conheça alguns destaques da maior cidade do país
A cidade mais populosa de toda a América celebra hoje 462 anos. São Paulo não só é um município de grande influência política e econômica, mas também local de ricas histórias, com locais e personagens marcantes. Como homenagem à cidade sede do A.C.Camargo, conheça alguns...
7 entre 10 casos de câncer de fígado e estômago são relacionados com Hepatites B e C e H. pylory
Estimativa realizada pelo A.C.Camargo Cancer Center aponta que 70% dos tumores de estômago são associados à presença da bactéria H. pylori. O mesmo percentual é atribuído às Hepatites B e C em relação ao hepatocarcinoma, tipo mais comum de câncer no fígado. Além dessas infecções...
A perigosa relação dos jovens com o cigarro
Momento de transição para a idade adulta, é na adolescência que, geralmente, acontece o período de autoafirmação social. É nessa fase que a adoção de comportamentos e a tomada de algumas decisões podem trazer consequências prejudiciais à saúde. Um desses exemplos é o cigarro, que...
A relação entre tabagismo e obesidade com câncer de pâncreas
Os dados podem assustar: fumantes têm risco de 2 a 6 vezes maior do que não fumantes de desenvolver câncer de pâncreas; entre 20% e 30% dos pacientes diagnosticados são fumantes; e 20% dos pacientes são obesos e diabéticos obesos. A principal forma de prevenir...