Cientistas do A.C.Camargo avaliam impacto que “air gaps” podem causar na eficácia da braquiterapia

Publicado em: 26/08/2019 - 14:08:56
Tratamento
Diagnóstico
Radioterapia
Tumores Ginecológicos

Publicado na Brachytherapy, revista científica da Sociedade Americana de Braquiterapia, estudo explica que eventuais bolhas de ar surgem ao redor do aplicador cilíndrico durante o tratamento – algo que o uso da tomografia para planejamento é capaz de minimizar

 

A braquiterapia desempenha um papel importante no tratamento de pacientes com cânceres de endométrio e colo do útero. Quando ocorre no endométrio, o tratamento é eminentemente cirúrgico. Há exceção em alguns casos de tumores do estádio I, que podem não precisar de tratamentos adicionais, mas todos os demais necessitam de braquiterapia – com ou sem adição de radioterapia externa e/ou quimioterapia para o sucesso terapêutico. 

Já para tumores de colo uterino inicial, o tratamento é a cirurgia radical ou irradiação, dependendo da condição geral das pacientes. Ainda assim, a grande maioria irá necessitar de braquiterapia vaginal. 

Acontece que pode haver bolhas de ar (air gaps) ao redor do aplicador cilíndrico durante a braquiterapia do manguito vaginal, algo que pode ser identificado por meio de tomografia computadorizada pós-inserção. 

“A presença de bolhas de ar faz com que a irradiação planejada não chegue com a dose adequada ao alvo de tratamento; essa dose pode se tornar maior ou menor”, explica Cassio Pellizzon, head do Departamento de Radioterapia do A.C.Camargo Cancer Center.

Investigar a incidência e a localização dessas bolhas de ar foi justamente o objetivo do estudo Detection of Air Gaps Around the Cylinder by Postinsertion Computed Tomography in Vaginal Cuff brachytherapy: a Prospective Series, Systematic Review, and Meta-Analysis (Detecção de Bolhas de Ar ao Redor do Cilindro pela Tomografia Computadorizada Pós-Inserção na Braquiterapia do Manguito Vaginal: uma Série Prospectiva, Revisão Sistemática e Meta-Análise).

 

Como funciona a tomografia

Após a colocação dos aplicadores vaginais, são necessárias informações sobre a localização do aplicador no corpo da paciente e dos órgãos que estão próximos ao mesmo. “Fazemos isso para que se dê a dose máxima de radiação no leito tumoral e mínima nos tecidos normais que estão naquela região”, afirma o doutor Cassio Pellizzon, que foi o orientador do trabalho. 

“A tomografia nos dá todas essas informações detalhadas e confiáveis sobre a extensão e a configuração do aplicador, bem como de sua topografia”, acrescenta o médico.

 

O estudo

Foram avaliadas 22 pacientes. Em 18 delas (82%), se detectou um total de 45 bolhas de ar, com média de diâmetro de 3,7 mm.

A pesquisa ainda demonstrou que o diâmetro do cilindro, o local do tumor primário e o uso de radioterapia externa não foram associados à incidência dessas bolhas de ar. “Elas estão associadas, provavelmente, à colocação de um aplicador de tamanho inferior ao que a vagina comporta”, analisa Cassio Pellizzon.

Em suma, mais de 2/3 dos casos de braquiterapia do manguito vaginal apresentaram essas bolhas ao redor do cilindro. “A solução é realizar uma tomografia antes de cada sessão e, se identificados volumes significativos de bolhas de ar, o jeito é trocar o aplicador. É o que fazemos no A.C.Camargo, visando entregar o melhor tratamento possível a nossos pacientes”, conclui o doutor Cassio.

Para conferir o estudo completo (em inglês), clique aqui.

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Recidiva, seguimento, cura e remissão em oncologia
Por Dr. Daniel Garcia, oncologista clínico do A.C.Camargo Cancer Center Quando o tratamento termina, muitos pacientes escutam de seus médicos oncologistas que se inicia o seguimento ou quais medicamentos adicionais serão necessários para manter o tumor em remissão. Ou, felizmente, que o câncer desapareceu e...
AACR 2019: extração de DNA do microbioma fecal pode identificar bactérias relacionadas à resistência dos quimioterápico
A técnica, um avanço no tratamento do câncer, poderá identificar novas bactérias relacionadas à resistência e metabolização de medicamentos quimioterápicos Por Diana Noronha Nunes, bióloga pesquisadora do Laboratório de Genômica Médica do Centro Internacional de Pesquisa (CIPE) do A.C. Camargo Cancer Center A Dra. Amy...
Podcast Rádio Cancer Center #4 - Guia de prevenção
Ouça o episódio, adote estes hábitos simples e proteja sua saúde Podcast Rádio Cancer Center, um espaço que está de volta para abordar a prevenção. Neste episódio, a conversa cheia de dicas práticas é com o Doutor Thiago Chulam, cirurgião oncológico e head do Departamento...
Vídeo: entenda a terapia CAR-T Cells, que reprograma as células do paciente contra a doença
Uma das grandes novidades no tratamento de cânceres hematológicos, como linfomas e leucemias, é a terapia celular. Chamada pelos especialistas de CAR-T Cells, ela age como uma terapia-alvo, porém sem utilizar medicamentos. As CAR-T Cells são células de defesa do organismo, que são extraídas e...
Inibidores de PARP: estamos vivendo uma mudança de paradigma?
Medicamento atua inibindo enzimas relacionadas às mutações BRCA1 e BRCA2 presentes no desenvolvimento de câncer de ovário Os inibidores de PARP. estão quebrando paradigmas no tratamento de câncer de ovário. O medicamento, que funciona como uma quimioterapia oral, tem sido utilizado para tratamento de uma...