Câncer de canal anal: o que há de novo?

Publicado em: 18/05/2019 - 17:05:50
Tratamento
Pesquisa
Inovação e tecnologia
Tumores Colorretais

Na oncologia, a área é carente de estudos, mas Brasil e América Latina podem fazer a diferença pelo grande número de pacientes

O câncer de canal anal é uma área carente de pesquisa. Nos EUA, esse tipo de câncer representa 2,6% das neoplasias do trato digestivo, com 8200 novos casos e 1100 mortes em 2017. No Brasil, sua incidência tem aumentado em torno de 4% ao ano. Cerca de 30 pacientes por ano são tratados apenas no A.C.Camargo.

Doutora Rachel Riechelmann, coordenadora da oncologia clínica da Instituição, explica que os fatores de risco para a doença são infecção crônica por HPV, antecedente pessoal de neoplasias ou displasias de alto grau do colo uterino e/ou vulvar e imunossupressão. O HIV, por exemplo, é uma doença imunossupressora que aumenta em 20 vezes a possibilidade de câncer anal. Como tratamento, são indicados ressecção transanal com margem negativa para tumores superficiais; radioterapia combinada com quimioterapia para tumores com acometimento de linfonodos; e amputação abdominoperineal como tratamento de resgate.

Câncer de canal anal geralmente surge associado a infecção por HPV, devido a uma integração do DNA viral com as células epiteliais. A presença de neoantígenos virais torna possível o tratamento por imunoterapia: atualmente, quatro estudos estão sendo feitos sobre a atuação da imunoterapia no tratamento deste tipo de câncer. Também há um estudo com o quimioterápico DCF, que mostrou dados promissores e podem indicar um novo padrão de tratamento.

“Em relação a pacientes HIV positivos, uma revisão sistemática e meta-análise recentes demonstraram piores desfechos e maior toxicidade entre estes pacientes tratados com quimioterapia e radioterapia”, explica doutora Rachel. Por isso, é preciso ficar atento para a definição de resposta completa de pacientes com HIV positivo, pois eles podem demorar mais tempo para atingir a resposta necessária ao tratamento e, assim, evitar uma cirurgia de amputação.

“Hoje, o tratamento de câncer de canal anal metastático padrão ainda é a quimioterapia baseada em cisplatina. Carbotaxol e DFC devem ser os medicamentos preferenciais. Os estudos de imunoterapia são muito promissores. Na oncologia, há um grande gap em relação a estudos de câncer de canal anal. É uma área carente de pesquisas e nós podemos fazer a diferença, já que temos um número grande de pacientes no Brasil e na América Latina”, finaliza doutora Rachel.

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Unidade Castro Alves passará a atender os Ambulatórios SUS de Nefrologia e Neurologia
Novo local traz mais conforto para atendimento dos nossos pacientes A partir do dia 13 de abril, as consultas dos ambulatórios de neurologia e nefrologia dos pacientes atendidos pelo SUS passarão a ser na Unidade Castro Alves. A nova estrutura, mais ampla e confortável, foi...
Adolescentes e adultos jovens em tratamento de câncer podem ter fertilidade preservada
A expertise acumulada em oncopediatria ao longo das últimas décadas trouxe avanços no atendimento de pacientes com diagnóstico de câncer na faixa etária de 12 a 30 anos. É uma nova área chamada câncer em Adolescente e Adulto Jovem, conhecida mundialmente pelos especialistas como AYA...
Equipe de Radioterapia do A.C.Camargo participa de congresso internacional em Chicago (EUA)
Médicos e residentes apresentaram trabalhos desenvolvidos na Instituição Considerado o mais importante congresso mundial sobre radioterapia, o ASTRO 2019, realizado pela American Society for Radiation Oncology apresenta anualmente os resultados mais promissores de ensaios clínicos em andamento que incluem novas tecnologias, novas doses de radiação...
“A vida muda muito após o câncer e quero aproveitar para curtir quem eu amo”
Sou Wagner Domingues, tenho 67 anos, pai da Caroline e avô de dois netinhos muito queridos, Marina e Daniel. Sou casado com a Rosely, minha companheira fiel na jornada da vida e juntos moramos em Santos/SP, mas nasci na capital paulista. Apesar de morar na...
Tomografia computadorizada: aliada no diagnóstico da Covid-19 para pacientes sintomáticos
Estudo realizado pelo corpo clínico do A.C.Camargo discute a eficiência desse exame de imagem na pandemia A tomografia computadorizada (TC) pode auxiliar na realização do diagnóstico da Covid-19 em pacientes sintomáticos. É a tese de um estudo realizado pelo corpo clínico do A.C.Camargo, intitulado Chest...