Câncer de canal anal: o que há de novo?

Publicado em: 18/05/2019 - 17:05:50
Tratamento
Pesquisa
Inovação e tecnologia
Tumores Colorretais

Na oncologia, a área é carente de estudos, mas Brasil e América Latina podem fazer a diferença pelo grande número de pacientes

O câncer de canal anal é uma área carente de pesquisa. Nos EUA, esse tipo de câncer representa 2,6% das neoplasias do trato digestivo, com 8200 novos casos e 1100 mortes em 2017. No Brasil, sua incidência tem aumentado em torno de 4% ao ano. Cerca de 30 pacientes por ano são tratados apenas no A.C.Camargo.

Doutora Rachel Riechelmann, coordenadora da oncologia clínica da Instituição, explica que os fatores de risco para a doença são infecção crônica por HPV, antecedente pessoal de neoplasias ou displasias de alto grau do colo uterino e/ou vulvar e imunossupressão. O HIV, por exemplo, é uma doença imunossupressora que aumenta em 20 vezes a possibilidade de câncer anal. Como tratamento, são indicados ressecção transanal com margem negativa para tumores superficiais; radioterapia combinada com quimioterapia para tumores com acometimento de linfonodos; e amputação abdominoperineal como tratamento de resgate.

Câncer de canal anal geralmente surge associado a infecção por HPV, devido a uma integração do DNA viral com as células epiteliais. A presença de neoantígenos virais torna possível o tratamento por imunoterapia: atualmente, quatro estudos estão sendo feitos sobre a atuação da imunoterapia no tratamento deste tipo de câncer. Também há um estudo com o quimioterápico DCF, que mostrou dados promissores e podem indicar um novo padrão de tratamento.

“Em relação a pacientes HIV positivos, uma revisão sistemática e meta-análise recentes demonstraram piores desfechos e maior toxicidade entre estes pacientes tratados com quimioterapia e radioterapia”, explica doutora Rachel. Por isso, é preciso ficar atento para a definição de resposta completa de pacientes com HIV positivo, pois eles podem demorar mais tempo para atingir a resposta necessária ao tratamento e, assim, evitar uma cirurgia de amputação.

“Hoje, o tratamento de câncer de canal anal metastático padrão ainda é a quimioterapia baseada em cisplatina. Carbotaxol e DFC devem ser os medicamentos preferenciais. Os estudos de imunoterapia são muito promissores. Na oncologia, há um grande gap em relação a estudos de câncer de canal anal. É uma área carente de pesquisas e nós podemos fazer a diferença, já que temos um número grande de pacientes no Brasil e na América Latina”, finaliza doutora Rachel.

Veja também

Síndrome de Li-Fraumeni: estudo que envolveu o A.C.Camargo pode mudar o aconselhamento genético da doença de forma marcante
Pesquisa internacional analisou dois tipos de mutações que estão ligadas à predisposição ao câncer A Síndrome de Li-Fraumeni (SLF) é uma doença hereditária de predisposição ao câncer, relacionada a mutações no gene TP53. Uma das mutações neste gene, denominada R337H, é encontrada apenas no Brasil...
Muitos pacientes que deixam a UTI com cuidados paliativos sobrevivem e retomam o tratamento do câncer
Estudo revela que aproximadamente 20% dos pacientes receberam alta para casa e até voltaram às terapias contra o câncer Alguns pacientes internados em UTI e que não apresentam melhora no quadro deixam esse serviço em cuidados paliativos. Há, no entanto, pouca amostragem sobre o que...
Estudo americano mostra pela primeira vez o risco de tratar câncer apenas com terapias alternativas
Uma pesquisa do Yale Cancer Center, em Connecticut (Estados Unidos), avaliou o risco de morte que um paciente de câncer corre quando recorre exclusivamente às chamadas terapias alternativas, e ele foi, em média, 2,5 vezes maior se comparado com quem recebeu tratamento com terapias convencionais...
2020, O Ano do Profissional de Enfermagem
Saiba mais sobre essa especialidade vital para o cuidado. Clique aqui caso tenha problemas para acessar o vídeo abaixo. video { width: 100%; height: auto; }