Câncer de canal anal: o que há de novo?

Publicado em: 18/05/2019 - 17:05:50

Na oncologia, a área é carente de estudos, mas Brasil e América Latina podem fazer a diferença pelo grande número de pacientes

O câncer de canal anal é uma área carente de pesquisa. Nos EUA, esse tipo de câncer representa 2,6% das neoplasias do trato digestivo, com 8200 novos casos e 1100 mortes em 2017. No Brasil, sua incidência tem aumentado em torno de 4% ao ano. Cerca de 30 pacientes por ano são tratados apenas no A.C.Camargo.

Doutora Rachel Riechelmann, coordenadora da oncologia clínica da Instituição, explica que os fatores de risco para a doença são infecção crônica por HPV, antecedente pessoal de neoplasias ou displasias de alto grau do colo uterino e/ou vulvar e imunossupressão. O HIV, por exemplo, é uma doença imunossupressora que aumenta em 20 vezes a possibilidade de câncer anal. Como tratamento, são indicados ressecção transanal com margem negativa para tumores superficiais; radioterapia combinada com quimioterapia para tumores com acometimento de linfonodos; e amputação abdominoperineal como tratamento de resgate.

Câncer de canal anal geralmente surge associado a infecção por HPV, devido a uma integração do DNA viral com as células epiteliais. A presença de neoantígenos virais torna possível o tratamento por imunoterapia: atualmente, quatro estudos estão sendo feitos sobre a atuação da imunoterapia no tratamento deste tipo de câncer. Também há um estudo com o quimioterápico DCF, que mostrou dados promissores e podem indicar um novo padrão de tratamento.

“Em relação a pacientes HIV positivos, uma revisão sistemática e meta-análise recentes demonstraram piores desfechos e maior toxicidade entre estes pacientes tratados com quimioterapia e radioterapia”, explica doutora Rachel. Por isso, é preciso ficar atento para a definição de resposta completa de pacientes com HIV positivo, pois eles podem demorar mais tempo para atingir a resposta necessária ao tratamento e, assim, evitar uma cirurgia de amputação.

“Hoje, o tratamento de câncer de canal anal metastático padrão ainda é a quimioterapia baseada em cisplatina. Carbotaxol e DFC devem ser os medicamentos preferenciais. Os estudos de imunoterapia são muito promissores. Na oncologia, há um grande gap em relação a estudos de câncer de canal anal. É uma área carente de pesquisas e nós podemos fazer a diferença, já que temos um número grande de pacientes no Brasil e na América Latina”, finaliza doutora Rachel.

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam

Veja também

O papel do enfermeiro navegador e seu impacto na jornada oncológica
Durante a jornada oncológica, pacientes do A.C.Camargo Cancer Center podem contar com a expertise dos enfermeiros navegadores. São profissionais altamente especializados em oncologia que atuam como um elo entre o paciente e todas as equipes (assistenciais e administrativas), desenvolvendo um trabalho fundamental para melhorar os...
"O homem não pode se descuidar de jeito nenhum!"
Sou Carlos Levy, tenho 75 anos, funcionário público aposentado e pai de cinco filhos. Também sou avô dos meus quatro queridos netos e casado com o amor da minha vida, Amália. Desde meus 50 anos tenho um compromisso comigo mesmo: fazer meus exames periódicos. Sigo...
2020, O Ano do Profissional de Enfermagem
Saiba mais sobre essa especialidade vital para o cuidado. Clique aqui caso tenha problemas para acessar o vídeo abaixo. video { width: 100%; height: auto; }
21/09: Dia Mundial do Doador de Medula Óssea
Em 21 de setembro é comemorado o Dia Mundial do Doador de Medula Óssea, que tem como objetivo a conscientização sobre a importância da doação de medula óssea. O procedimento servirá para o transplante, um tipo de tratamento que visa substituir uma medula óssea doente...
7 passos para pacientes com câncer manterem a mente calma
Pacientes com câncer são afetados em qualquer idade. Existem, porém, formas de eles se manterem calmos e positivos, conforme se vê nas dicas abaixo. São ideias que valem não apenas para quem está em tratamento, mas também para quem faz parte desses pacientes com câncer...