Câncer de cabeça e pescoço: profissões e fatores de risco

Publicado em: 11/12/2019 - 09:12:42
Pesquisa
Diagnóstico
Hábitos saudáveis
Tumores de Cabeça e Pescoço

Com participação do corpo clínico do A.C.Camargo Cancer Center, grupo internacional de pesquisa INHANCE analisou 8839 casos; laringe apresentou a maior incidência de tumores

Câncer de cabeça e pescoço: investigar as relações entre ele e os fatores de risco inerentes às ocupações foi o norte do estudo Occupations and the Risk of Head and Neck Cancer: a Pooled Analysis of the International Head and Neck Cancer Epidemiology Consortium [INHANCE] (Ocupações e o Risco de Câncer de Cabeça e Pescoço: uma Análise do Consórcio Internacional de Epidemiologia do Câncer de Cabeça e Pescoço [INHANCE]).

Publicada no Journal of Occupational and Environmental Medicine, essa pesquisa reuniu 8839 casos e 13730 controles com participantes de 27 países. 

“Temos esse grupo de pesquisa há mais de 20 anos. Identificamos a necessidade de avaliar as possíveis associações entre as ocupações e os cânceres de cabeça e pescoço”, conta Maria Paula Curado, head do Núcleo de Epidemiologia e Estatística em Câncer do A.C.Camargo.


Câncer de cabeça e pescoço: risco menor para encanadores

Foram identificados riscos associados a várias categorias, de acordo com as características da ocupação e o tempo em que a pessoa esteve na atividade, sobretudo os que passaram mais de 10 anos nesse trabalho. 

O câncer de laringe apresentou a maior incidência em todas as profissões investigadas. Exemplos de categorias afetadas foram os mecânicos de veículos e os motoristas, algo que sugere que a inalação a certas substâncias – como a fumaça dos escapamentos – tenha impacto no surgimento dessas neoplasias. 

Faxineiros e trabalhadores da indústria têxtil também foram alguns dos mais afetados pelo câncer de laringe. Na cavidade oral, a associação foi maior em garçons e bartenders. 

Curiosamente, encanadores, instaladores de tubulações e de estruturas metálicas não foram acometidos significativamente na laringe.

Já os profissionais que trabalham com carne, como açougueiros, se mostraram mais afetados na faringe, na orofaringe e na cavidade oral. 

Vale ressaltar que 87,5% dos casos de tumores de cabeça e pescoço envolviam fumantes e 87,3% consumiam álcool com frequência.


Conclusões 

Embora o mecanismo preciso de ação de carcinógenos ocupacionais ainda não seja estabelecido, muitos estudos ainda serão necessários para elucidar a carcinogênese. 

Veja também

Pesquisa do A.C.Camargo vence premiação após descoberta de mutação relacionada ao tumor de Wilms
Pesquisa liderada pelo A.C.Camargo Cancer Center identificou mutações relacionadas ao desenvolvimento do tumor de Wilms, câncer renal mais frequente em crianças, principalmente entre 2 e 4 anos de idade. A descoberta amplia as perspectivas por um diagnóstico mais precoce e, consequentemente, tratamento menos agressivo ao...
Sinais e sintomas do câncer de pâncreas
Apresentamos uma cartilha com informações que também abordam fatores de risco, diagnóstico e tratamento da doença O câncer de pâncreas é responsável por cerca de 2% de todos os tipos de tumores diagnosticados e por 4% do total de mortes causadas pela doença no Brasil...
Outubro Rosa: tomografia computadorizada é uma aliada na biópsia da mama
Raramente usada para exames de imagem da mama, ela ajuda a garantir o melhor planejamento terapêutico Outubro Rosa é sinônimo de prevenção, portanto saiba que os melhores exames de imagem para avaliação de lesões mamárias são a mamografia, a ultrassonografia e a ressonância magnética. A...
Coronavírus: como se proteger?
Mais Coronavírus - Recomendações importantes - Dúvidas mais frequentes - O paciente oncológico - O que é
Sangue nas fezes: devo me preocupar?
Sangue nas fezes. Pode ser assustador ver sangue no toalete ou no papel higiênico após evacuar. Felizmente, a maioria das causas de sangramento retal não são fatais – as mais comuns são as hemorroidas e as fissuras anais. Quando procurar ajuda A maioria das pessoas...