Anticoncepcional e a prevenção do câncer ginecológico

Publicado em: 15/09/2015 - 21:09:00
Notícias

Sétimo e oitavo tipos de câncer mais comuns no Brasil, o câncer de endométrio e o de ovário têm mais de seis mil novos casos previstos para o ano de 2016. Porém, pesquisas recentes estabeleceram um importante fator de proteção para essas doenças ginecológicas, que pode ajudar a reduzir suas incidências: o anticoncepcional.



"A literatura médica observou que o uso do anticoncepcional por, pelo menos 5 anos, pode contribuir para  a prevenção de câncer de ovário. E quanto mais tempo de uso, maior o fator de proteção", afirma Dr. Glauco Baiocchi, diretor do Núcleo de Ginecologia Oncológica do A.C.Camargo. Quanto ao câncer de endométrio, Baiocchi ressalta que esse método também pode ajudar a preveni-lo, porém outras questões interferem nesse processo. "Nesse caso, a obesidade é um fator de risco bastante influente para o desenvolvimento do câncer de endométrio". Dessa forma, mesmo que a mulher faça uso contínuo do método contraceptivo, outros fatores devem ser levados em conta.

Atualmente, o risco de desenvolvimento do câncer de ovário é somente 1,4%. O uso de contraceptivo pode reduzir esse número, porém, só deve ser utilizado em caso de indicação médica. "Geralmente, recomenda-se o anticoncepcional para controlar o ciclo menstrual, para evitar a gravidez ou em razão de alterações hormonais, e não por ser fator protetor de uma doença rara na população", explica Baiocchi. "Mas é possível afirmar que um número de mulheres deixará de ter câncer de ovário e de endométrio porque usaram anticoncepcional", avalia.

Contraindicação

Nem todas as mulheres podem usar o contraceptivo no seu cotidiano. "Mulheres com histórico de trombose, especialmente a partir dos 40 anos de idade, devem evitar o uso. Outra contraindicação são as pacientes com câncer de mama", exemplifica Baiocchi.

O uso de anticoncepcional também não traz riscos à gravidez da mulher, caso ela queira engravidar futuramente. 

Dr. Glauco Baiocchi Neto - CRM 97501
Diretor do Núcleo de Ginecologia Oncológica
Especialista em Cancerologia Cirúrgica - RQE nº 42471

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Retrospectiva: 10 tipos de câncer mais pesquisados em 2015
Para melhor entendimento sobre o assunto câncer, o A.C.Camargo disponibiliza em seu site informações detalhadas sobre mais de 50 tipos da doença, elencando seus principais fatores de risco, sintomas e opções de tratamento. Confira quais foram os 10 mais procurados pelo público neste ano. 10...
A relação entre tabagismo e obesidade com câncer de pâncreas
Os dados podem assustar: fumantes têm risco de 2 a 6 vezes maior do que não fumantes de desenvolver câncer de pâncreas; entre 20% e 30% dos pacientes diagnosticados são fumantes; e 20% dos pacientes são obesos e diabéticos obesos. A principal forma de prevenir...
Avanços na detecção precoce do câncer de ovário
Pesquisadora do MTI apresentou uma abordagem inovadora que consegue localizar células tumorais pela fluorescência. Infelizmente, 75% dos casos de câncer de ovário são detectados já em fase avançada, quando as chances de cura são muito baixas. Por outro lado, a detecção desses tumores em sua...
O "tapete" de pólipos intestinais hereditários
Quando há vários casos de tumores colorretais em uma família, deve-se investigar se há alguma mutação genética comum entre os membros. Uma das síndromes que podem ser diagnosticadas é a Polipose Adenomatosa Familiar (FAP), caracterizada pelo surgimento de centenas de pólipos no intestino grosso, formando...
Cinco fatos sobre câncer de ovário
Com estimativa de cerca de seis mil novos casos em 2016, o câncer de ovário apresenta características específicas e conhecê-las pode ajudar a se prevenir ou mesmo a procurar um especialista no caso de dúvidas. O aparecimento de cistos no ovário não costuma ter relação...