Alimentação e acompanhamento nutricional fazem parte do tratamento do câncer

Publicado em: 01/03/2019 - 18:03:12
Tratamento
Prevenção
Hábitos saudáveis

Saiba mais sobre os alimentos recomendados e aqueles que devem ser evitados 

Uma alimentação inadequada é considerada a segunda maior causa de câncer. Felizmente, ela pode ser prevenida, de acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA). Além disso, os alimentos também podem interferir na qualidade de vida de quem já tem a doença. Uma alimentação saudável fornece todos os nutrientes necessários para as funções do organismo, que são importantes para a resposta ao tratamento.  Sendo assim, a alimentação e o acompanhamento nutricional são considerados parte do tratamento oncológico.  

“O paciente que não se alimenta de forma saudável e começa a perder peso, reduz sua tolerância às terapias e sua qualidade de vida e aumenta o risco de toxicidade dos efeitos e de complicações”, explica a nutricionista e supervisora de Nutrição Clínica do A.C.Camargo Cancer Center, Thaís Manfrinato. Além de auxiliar na saúde do paciente, uma boa escolha alimentar pode prevenir o retorno da doença. Por isso, é importante ficar atento a algumas recomendações.  

Alimentação saudável e equilibrada é o ideal 

Ao contrário do que se pode pensar à primeira vista, não há necessidade de se adotar uma dieta específica ou restrita durante o tratamento oncológico. “Tanto para quem está em tratamento quanto para quem não está, a base da alimentação deve ser a mesma, ou seja, a mais saudável possível. A restrição deve acontecer apenas em pacientes que apresentem outra doença crônica, como diabetes ou hipertensão, mas não por conta do tratamento oncológico e sim, da doença associada”, explica a nutricionista.

Confira mais dicas sobre como montar um prato saudável 

Alimentos recomendados x alimentos que devem ser evitados ou não consumidos

O consumo de frutas, verduras, legumes, cereais integrais e carnes brancas é o adequado para uma alimentação ser considerada saudável. “Deve-se também lembrar que a higienização correta dos alimentos é fundamental para garantir a segurança alimentar, evitando a contaminação pelos alimentos”, destaca a nutricionista. 

Por outro lado, os alimentos que devem ser evitados são os ultraprocessados, como congelados, biscoitos, salgadinhos, bolachas e barra de cereal, além daqueles gordurosos, ricos em sódio e açúcares. A nutricionista também chama atenção para alguns alimentos que podem ser consumidos, mas em quantidades moderadas. “O ideal é limitar o consumo de carne vermelha para até 500 gramas por semana e reduzir ao máximo o consumo de carne processada, como linguiça, salsicha, mortadela, peito de peru, presunto e salame”, explica. 

Cuidados no pós-cirúrgico e durante radioterapia

Alguns cuidados e orientações são necessários e irão depender dos efeitos colaterais, tipo de câncer e terapia utilizada. No pós-cirúrgico, a dieta poderá ser adaptada. “Dependendo da cirurgia, como as do trato gastrintestinal, normalmente inicia-se uma dieta líquida, evoluindo para pastosa e posteriormente branda. Os alimentos vão sendo reintroduzidos gradativamente conforme a tolerância do paciente”, explica a especialista. 

Já para os pacientes que estão em tratamento de radioterapia na região do intestino, colo do útero e bexiga é comumente utilizada uma dieta isenta de alimentos que formam gases e soltam as fezes para minimizar os sintomas da diarreia, que já é provocada pelo próprio tratamento. 

Atenção aos efeitos colaterais

Durante o tratamento, o paciente poderá apresentar efeitos colaterais como enjoos, diarreia, constipação e feridas na boca (mucosite). Nestes casos, a alimentação também deverá ser alterada para minimizar essas reações. Para isso, é de suma importância que o paciente seja acompanhado por um nutricionista, profissional capacitado para orientá-lo e ajudá-lo a ter uma melhor resposta ao tratamento e qualidade de vida. 
 

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Podcast #50 - A diferença entre um hospital geral e um Cancer Center
A integração de diagnóstico, tratamento, ensino e pesquisa do câncer é o modelo adotado no A.C.Camargo Cancer Center, assim como nos principais Cancer Centers do mundo. Uma evolução do conceito de saúde em oncologia para aprofundar constantemente o conhecimento sobre a doença e gerar inovação...
Sarcoma de partes moles: 6 mitos & verdades
O sarcoma de partes moles pode apresentar características diferentes de outros tipos de câncer, principalmente em relação aos fatores de risco. Apesar de ser um câncer raro – não há estatísticas oficiais no Brasil –, é importante que se saiba quais são os sinais e...
Atendimento Oncológico Protegido: saiba como é o protocolo de higienização de equipamentos na Instituição
O tratamento oncológico traz muitas incertezas e preocupações ao paciente e seus familiares. Em muitos casos, um dos efeitos do tratamento é a diminuição da imunidade, favorecendo o risco de infecções, por isso é importante contar com um espaço limpo e seguro, contribuindo para realização...
Cientistas do A.C.Camargo avaliam impacto que “air gaps” podem causar na eficácia da braquiterapia
Publicado na Brachytherapy, revista científica da Sociedade Americana de Braquiterapia, estudo explica que eventuais bolhas de ar surgem ao redor do aplicador cilíndrico durante o tratamento – algo que o uso da tomografia para planejamento é capaz de minimizar A braquiterapia desempenha um papel importante...
Podcast Rádio Cancer Center #12 - O câncer de ovário: entenda
Ouça esta conversa e saiba mais sobre a saúde da mulher Câncer de ovário: a estimativa é de 6.650 novos casos no Brasil em 2020. Ele é o sétimo câncer mais comum em mulheres no país. Se considerarmos apenas os tumores ginecológicos, ele é o...