AIDS e Câncer: conheça a relação entre o HIV e o Sarcoma de Kaposi

Publicado em: 26/05/2015 - 21:05:00
Notícias

Em 1872, o dermatologista húngaro Moriz Kaposi encontrou nódulos vermelho-azulados nos pés de alguns pacientes e destacou o caráter pigmentado na pele. A incidência da doença, inicialmente, predominava em povos italianos e judaicos, mas o fator de risco era ligado mais à geografia do que à etnia.

Com algumas características epidemiológicas semelhantes às de outros Sarcomas de Partes Moles, o de Kaposi pode surgir após um enfraquecimento do sistema imunológico e está relacionado ao herpesvírus humano-8 (HHV-8). "No entanto, os infectados com o HHV-8 não obrigatoriamente desenvolvem a doença", afirma o Vice-Presidente da Fundação Antônio Prudente, Diretor do Departamento de Cirurgia Pélvica e Chefe do Núcleo de Sarcomas do A.C.Camargo Cancer Center, Dr. Ademar Lopes.

Mais de um século depois, em 1981, o agora nomeado Sarcoma de Kaposi passava a ter um aumento do número de casos devido a outro fator – o HIV (Vírus da Imunodeficiência Humana) – e a ser subdividido em dois grupos:

  • Endêmico: surgimento do câncer também associado à contaminação pelo HIV;
  • Clássico: crescimento lento e sem relação com o vírus da AIDS.

Geralmente, os primeiros sinais se manifestam pelo surgimento de pequenas lesões ou nódulos na pele. Quando suspeitos, devem ser investigados por um médico, que pode solicitar exames de imagem e, finalmente, a biópsia para um diagnóstico definitivo.

Tratamento

O tratamento dos pacientes com Sarcoma de Kaposi Endêmico envolve, principalmente, dois especialistas: o infectologista e o oncologista clínico. "Os medicamentos retrovirais podem diminuir o avanço da ação do HIV, ao passo que o câncer é tratado com os procedimentos terapêuticos apropriados, como cirurgia, radioterapia e a quimioterapia", orienta Lopes. Nos casos Clássicos do Sarcoma, com uma lesão nodular única, o procedimento pode ser somente cirúrgico ou radioterápico, dependendo da avaliação clínica.

Outros casos

transplante de órgãos também pode causar nos pacientes a diminuição da imunidade, uma vez que o paciente transplantado, se não for autoimune, necessita utilizar imunossupressores para diminuir o risco de rejeição ao novo órgão. "Mas os cânceres ligados a este procedimento não são comuns", finaliza o especialista.

Dr. Ademar Lopes - CRM 21092
Vice-Presidente da Fundação Antônio Prudente
Diretor do Departamento de Cirurgia Pélvica
Chefe do Núcleo de Sarcomas

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

462 anos de São Paulo: conheça alguns destaques da maior cidade do país
A cidade mais populosa de toda a América celebra hoje 462 anos. São Paulo não só é um município de grande influência política e econômica, mas também local de ricas histórias, com locais e personagens marcantes. Como homenagem à cidade sede do A.C.Camargo, conheça alguns...
7 entre 10 casos de câncer de fígado e estômago são relacionados com Hepatites B e C e H. pylory
Estimativa realizada pelo A.C.Camargo Cancer Center aponta que 70% dos tumores de estômago são associados à presença da bactéria H. pylori. O mesmo percentual é atribuído às Hepatites B e C em relação ao hepatocarcinoma, tipo mais comum de câncer no fígado. Além dessas infecções...
Agrotóxicos podem aumentar o risco de câncer?
Verdade. Agrotóxicos, ou defensivos agrícolas, são produtos químicos empregados para controlar insetos, doenças, ou ervas daninhas que causem dano às plantações. Tais produtos são cercados de polêmica, pois seu uso pode ter impacto negativo sobre a saúde humana. Estudos apontam que os agrotóxicos podem desencadear...
Orientações sobre a gripe 2018
A gripe A influenza ou gripe é uma infecção respiratória aguda, causada pelo vírus influenza, com alto potencial de transmissão. Os primeiros sintomas geralmente são: febre, dor muscular e tosse seca. A evolução costuma ser branda e autolimitada, por período de quatro dias a sete...
Anticoncepcional e a prevenção do câncer ginecológico
Sétimo e oitavo tipos de câncer mais comuns no Brasil, o câncer de endométrio e o de ovário têm mais de seis mil novos casos previstos para o ano de 2016. Porém, pesquisas recentes estabeleceram um importante fator de proteção para essas doenças ginecológicas, que...