Afinal o que causa e como lidar com os efeitos tardios do tratamento do câncer?

Publicado em: 12/09/2015 - 21:09:00
Tratamento
Foco do paciente
Suporte e Reabilitação

Estudo apresentado no AACR Meeting 2017, em Washington, mostra como sobreviventes de longo tempo do tratamento de câncer podem ter sua qualidade de vida melhorada.

 

Nos últimos cinco anos, o tratamento de 27 diferentes sítios tumorais elevou o número de sobreviventes de câncer no planeta para cerca de 33 milhões. Só nos Estados Unidos, esse número representa cerca 16 milhões, com uma previsão de 27 milhões em 2040. Esses números não falam da qualidade de vida desses ex-pacientes, mas estudos populacionais dos Estados Unidos mostram que o uso de tabaco e a obesidade nos sobreviventes de câncer é proporcionalmente igual ao restante da população. Portanto, pacientes curados continuam sendo expostos a fatores de risco para desenvolvimento de novos tumores.

Um dos dados mostrados no evento aponta que o tratamento do câncer e seus efeitos colaterais impactam, no longo prazo, no envelhecimento. Por exemplo, os pacientes tratados por câncer apresentam mais doenças cardiovasculares e osteoporose. A fadiga também é um sintoma muito observado nos sobreviventes de câncer.

"Interessante é que os dados mostram que a quimioterapia não é o único vilão para esses efeitos. Pacientes que foram tratados apenas com cirurgia também apresentam maior risco tardio desse efeito colateral. A explicação para esses achados pode ser, pelo menos em parte, influenciada por um processo inflamatório, que se desenvolve em função da doença e seu tratamento", diz Dra. Vilma Martins, Superintendente de Pesquisa.

A boa notícia é que dados de estudos científicos mostram que os efeitos podem ser minimizados com a manutenção do peso, o controle da ansiedade e a prática de exercícios que melhorem a atividade cardiovascular. A cada ano, apesar do aumento esperado no número de indivíduos com câncer, teremos um aumento crescente de sobreviventes, e cada vez mais investimentos e pesquisas precisam ser conduzidos nessa área.

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Dia Internacional do Câncer Infantil: pais devem estar atentos aos sinais e sintomas da doença
Dia 15 de fevereiro é Dia Internacional do Câncer Infantil. A data foi instituída pela Childhood Cancer International (CCI) e reforça a importância de pais e responsáveis estarem atentos aos sinais e sintomas do câncer em crianças. O câncer em crianças e adolescentes costuma ter...
Podcast Rádio Cancer Center #38 - O Cuidado com o Câncer de Cólon e Reto em Tempos de Covid-19
O câncer de cólon e reto é muito comum no Brasil. Sem contar os tumores de pele não melanoma, ele é o segundo mais comum entre os homens, com previsão de 20.540 novos casos para 2020, de acordo com o INCA, e também é o...
Oncogeriatria: o desafio de tratar uma população com cada vez mais idosos
Sessão educativa do ASCO mostrou a necessidade de produzir dados específicos para o tratamento do paciente idoso e adotar comunicação mais clara que facilite a tomada de decisão Estima-se que, em 2040, 70% dos diagnósticos de câncer serão de pessoas com mais de 65 anos...
Dez anos sem o Doutor Ricardo Brentani
"Na minha incessante investigação dos mistérios do câncer, sonho com o dia em que as células revelem aquilo que insistem em esconder de mim” - Doutor Ricardo Brentani. No dia 21 de julho de 1937, na cidade de Trieste, Itália, nascia Ricardo Renzo Brentani, mais...