AACR 2019: Significância Estatística versus Significância Clínica: discussões sobre o valor de p

Publicado em: 20/05/2019 - 09:05:01
Institucional
Pesquisa
Eventos

Medida é tradicionalmente empregada para determinar o valor de uma descoberta científica 

Por Vinicius Fernando Calsavara, pesquisador/estatístico do Núcleo de Epidemiologia e Estatística em Câncer (NEECan) do A.C.Camargo Cancer Center

Em diversas áreas do conhecimento, o uso de técnicas estatísticas vem crescendo vigorosamente em pesquisas, principalmente, em Oncologia. Todos os dias, profissionais da saúde como enfermeiros, nutricionistas, médicos, entre outros, recebem informações provenientes de análises de dados, porém nem sempre com informações claras e de fácil interpretação. Em diversas situações, estudos e pesquisadores cometem equívocos ao se deterem apenas às conclusões dos resultados estatísticos, como o valor de p (ou p-value) de um teste de hipóteses.

Em eventos científicos, seminários ou aulas é muito comum pesquisadores mencionarem que não encontraram uma diferença entre dois grupos porque a diferença não foi estatisticamente significante (valor de p>0,05). Porém, ao mostrar uma tabela ou um gráfico fica evidente a diferença clínica entre os dois grupos. 

Nesse sentido, durante o AACR 2019, no sábado (30/03), o pesquisador Yu Shyr da Vanderbilt University Medical Center abordou o uso indiscriminado, por parte de alguns cientistas, do valor de p e as suas consequências na pesquisa. Durante a conferência, Yu Shyr apresentou uma análise de 791 artigos publicados em cinco revistas internacionais, recentemente publicado na Nature, em que 51% das pesquisas fizeram uma interpretação equivocada dos resultados encontrados, ou seja, a maioria dos estudos encontrou resultados estatisticamente não significativos, porém foram interpretados como não haver “diferença” ou sem “efeito” clínico.

O valor de p é tradicionalmente empregado para determinar “significância” de uma descoberta. É dito ser significativo um achado quando o valor de p é igual ou inferior a 5%. O limiar de 5% tornou-se uma espécie de pré-requisito para publicações no meio acadêmico. No entanto, a Associação de Estatística dos Estados Unidos (ASA, na sigla em inglês) condena tanto as interpretações de informações do valor de p quanto ao uso indiscriminado do limiar de 5%. Como mencionado por Ron Wassertein, diretor-executivo da ASA, “o valor de p nunca pretendeu ser um substituto para o raciocínio científico”. 

Desse modo, é importante enfatizar que conclusões estatísticas são diferentes das conclusões do estudo. As análises estatísticas evidenciam argumentos para as conclusões do trabalho, mas as decisões não dependem somente de resultados de testes, como também de fatores associados ao tipo do estudo, aleatorização dos pacientes, custos associados às intervenções, riscos, magnitude dos efeitos, limitações, tamanho da amostra, etc.  Sendo assim, as conclusões de um estudo devem ser fundamentadas em todas as informações relacionadas, e não somente em valores de p.

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

A.C.Camargo é eleito uma das 150 Melhores Empresas para Você Trabalhar
Pela sétima vez, o A.C.Camargo é eleito uma das 150 Melhores Empresas para Você Trabalhar pelo Guia Você S/A - Exame. Em 2015, o primeiro Cancer Center do Brasil conquistou também o destaque de Melhores Práticas em Cidadania Empresarial, prêmio concedido pela mesma publicação. O...
World's Best Specialized Hospitals 2021: A.C.Camargo Cancer Center se mantém entre as melhores instituições oncológicas do mundo
O World's Best Specialized Hospitals 2021, ranking da revista norte-americana Newsweek, foi divulgado e colocou o A.C.Camargo Cancer Center entre as 30 melhores instituições oncológicas do mundo. A lista, que tem o objetivo de mostrar as entidades que possuem o mais alto nível em termos...
Custo-efetividade: indicadores médicos na construção de protocolos mais eficientes
Custo-efetividade: desde 2004, o departamento de Anestesiologia do A.C.Camargo Cancer Center possui uma equipe de Qualidade e Segurança do Paciente que coleta dados de todas as anestesias realizadas. Com essas informações, o grupo constrói e monitora indicadores que vão desde a avaliação pré-anestésica, intraoperatório e...
Pesquisa aponta aumento da incidência de câncer de orofaringe associado a infecção por vírus HPV
Neste Julho Verde, mês de conscientização sobre o combate aos tumores de cabeça e pescoço, conheça este estudo feito na cidade de São Paulo, que analisou mais de 15 mil casos de câncer de boca e orofaringe O papilomavírus humano (HPV) é um vírus que...
Interações medicamentosas: avanços na investigação
Publicado em periódico do European Institute of Oncology, artigo analisa impactos de se associar inibidores da bomba de prótons ao tratamento Interações medicamentosas representam um risco relativamente alto para pacientes oncológicos. Estima-se que cerca de 30% deles estão expostos a combinações de drogas potencialmente perigosas...