AACR 2019: a modulação do microambiente imunológico pode ativar a resposta imune contra o câncer na medula óssea

Publicado em: 20/05/2019 - 09:05:12
Institucional
Pesquisa
Eventos

MD Anderson Cancer Center apresenta novidades na área de imuno-oncologia 

Por Dr. Kenneth Gollob, head do grupo de Imuno-oncologia Translacional do A.C.Camargo Cancer Center 

Os cânceres que se espalham para a medula óssea são particularmente difíceis de combater e a resposta imune é frequentemente suprimida, levando ao crescimento do tumor. Diferentes subtipos de células T podem ativar a resposta imune para combater o tumor ou inibir a resposta imune. O Grupo de Imuno-oncologia Translacional do A.C.Camargo Cancer Center estuda essas subpopulações de células T e seu papel em vários tipos de câncer, em parceria com o MD Anderson Cancer Center. Durante o AACR 2019, a Dra. Padmanee Sharma, do MD Anderson, apresentou alguns resultados sobre por que a resposta imune contra cânceres que se espalham para os ossos é inibida. 

No estudo, ela verificou subpopulações de células T no osso e descobriu que essas células eram em sua maioria um tipo chamado Th17 e poucas Th1 (células T ativadoras de respostas imunes antitumorais), enquanto no tecido onde uma forte resposta imune antitumoral estava presente, havia principalmente Th1 e poucos Th17. A partir disso, a pesquisadora investigou por que a resposta foi principalmente Th17 levando a uma fraca resposta imune anticâncer e descobriu que osteoclasto (um tipo específico de célula óssea) produz uma molécula (TGF-beta) que induz o desenvolvimento de Th17 e reduz Th1, levando a uma resposta imune ineficaz no osso. 

Com isso, Dra. Padmanee bloqueou o TGF-beta, o que levou a um aumento nas células Th1 e redução no tamanho do tumor. Ela então foi além para incluir um inibidor de “checkpoint”, anti-CTLA-4, mais anti-TGF-beta e viu que o Th17 estava reduzido, o Th1 estava aumentado junto com células antitumorais (T CD8), e o tumor reduziu. Assim, seu trabalho demonstrou que podemos converter uma resposta imune inibitória em uma resposta imune ativada para combater o câncer no osso, podendo levar ao desenvolvimento de novos tratamentos. 

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Amor à Vida comemora o Dia Internacional da Mulher em dose dupla
Que mulher não gosta de se reunir com as amigas para conversar, trocar experiências, tirar fotos e tomar um café? Assim são as reuniões do Grupo de Apoio ao Paciente com Câncer, Amor à Vida, que, além de lidar com assuntos importantes e delicados durante...
Atendimento durante o feriado (3/6)
O A.C.Camargo Cancer Center informa que, nesta quinta-feira, feriado de Corpus Christi, estaremos abertos apenas para exames de imagens e análises clínicas na Unidade Antônio Prudente, que serão realizados das 7h às 12h. Os pacientes do SUS e da Pediatria que necessitarem realizar exames nesta...
Estudo analisa papel da quimiorradiação neoadjuvante e de proteínas como a Rab5C em pacientes com câncer retal
Conduzida por cientistas do A.C.Camargo, pesquisa abre caminho para tratar pacientes com câncer retal de forma mais personalizada No Brasil, para cada ano do biênio 2018-2019, estimam-se 18.980 novos casos de câncer colorretal em mulheres e outros 17.380 em homens, segundo o Instituto Nacional de...
Imunoterapia para o câncer de mama triplo negativo metastático
Por Solange Sanches, oncologista clínica e vice-coordenadora do Centro de Referência em Tumores da Mama O uso da imunoterapia, que já demonstrou seu papel extremamente divisor de águas no tratamento de vários tipos de tumores, como pulmão, bexiga e cabeça e pescoço, também vem começando...