Mulher negra com máscara verde e braço vacinado, cabelo black power

Vacina boa é vacina no braço: todos os imunizantes contra a Covid-19 disponíveis no Brasil são vitais!

Publicado em: 31/08/2021 - 15:08:15
Prevenção
Diagnóstico
Epidemiologia
Linha Fina

Portanto, não faz sentido escolher o laboratório. A seguir, entenda isso e saiba o melhor momento para o paciente oncológico se vacinar, inclusive contra a gripe 

Há pessoas, porém, que não querem determinada vacina, que estão indo a vários postos de saúde a fim de encontrar sua marca preferida, algo que contribui com o atraso no ritmo de vacinação. 

Hoje, apenas 11,95% da população brasileira está vacinada com as duas doses e 33% tomou somente a primeira, mas só estaremos imunizados 15 dias após a segunda dose – no caso da Janssen, 15 dias depois da dose única.


A ciência garante 

Segundo a Dra. Raquel Bussolotti, superintendente de operações do A.C.Camargo Cancer Center, todas as vacinas disponíveis no Brasil foram validadas não só pelo órgão técnico brasileiro, que é a Anvisa, mas também por entidades do mundo todo.

“Assim, não faz sentido as pessoas escolherem o laboratório”, afirma a médica. 

“Quanto mais demorada é a imunização da população, mais o vírus vai circular e pode gerar novas variantes, então as pessoas têm que se vacinar rapidamente. Além disso está sendo avaliado se a imunização terá que ser anual, devemos aguardar novos estudos. Com a vacina da gripe é assim, mas ninguém pergunta qual é o laboratório que a produziu”, analisa a Dra. Raquel.


Imunizantes contra a Covid-19 x paciente oncológico 

Infectologista do A.C.Camargo, o Dr. Ivan França explica que há três plataformas diferentes de vacina, mas todas funcionam, seja para quem tem ou não um câncer.

“Não importa se os estudos mostraram um pouco mais de eficácia para uma que para outra: todas funcionam! Seja a CoronaVac, com seu vírus inativado; a Pfizer, com o mRNA mensageiro do vírus; e, por fim, AstraZeneca e Janssen, ambas com o vetor viral, um adenovírus que estimula a imunização”, esclarece o Dr. Ivan.


Melhor momento para vacinar

Se você está em tratamento de um câncer, deve tomar a vacina contra a Covid 15 dias antes ou 15 dias após a última sessão de quimioterapia ou radioterapia. 

“Como a vacina pode dar algum efeito colateral como febre baixa e dor no corpo, esse espaçamento de 15 dias é importante para que esses sintomas não se confundam com um eventual efeito colateral da químio, por exemplo”, conta a Dra. Raquel Bussolotti.
De qualquer forma, o paciente oncológico deve alinhar com seu médico o melhor momento para tomar a vacina.


Prioridade na fila para quem tem câncer

O Dr. Ivan França explica que o programa nacional de imunizações diz que só terá prioridade na fila de vacinação para comorbidades aqueles pacientes oncológicos que estão em tratamento ou que o terminaram há até seis meses.

“Se você terminou seu tratamento há mais de seis meses, terá de aguardar a fila normal, regulada pela faixa etária”, avisa.


Vacina para a gripe: e quem tem câncer?

A regra dos 15 dias vale também para a vacinação contra a gripe – vírus influenza.

Quem toma a vacina contra a Covid-19 deve aguardar 15 dias para tomar a vacina da gripe, para que não haja confusão entre os sintomas de eventuais efeitos colaterais.  

“A vacina contra a gripe é muito importante para diminuir a incidência de infectados com influenza. Essas pessoas deixam de procurar os prontos socorros dos hospitais, diminuindo a transmissão e aumentando o diagnóstico preciso da Covid-19”, encerra o Dr. Ivan.

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

A.C.Camargo Cancer Center apresenta cartilha sobre câncer de estômago
Material traz informações sobre tratamento, prevenção, sinais e sintomas da doença De acordo com as estimativas do Instituto Nacional do Câncer (INCA), são esperados 21.290 novos casos de câncer de estômago no Brasil em 2019, dos quais 13.540 são em homens e 7.750 em mulheres...
Tumores ginecológicos além do colo de útero: informe-se e cuide de você!
Os tumores ginecológicos envolvem muito mais do que o câncer de colo de útero, o terceiro mais frequente em mulheres. Estima-se que, em 2020, cerca de 16 mil novos casos de câncer de colo de útero foram diagnosticados no Brasil, assim como 6650 novos casos...
Coronavírus: cuidados necessários para quem toma hormônio contínuo
Paciente não faz parte do grupo de risco e deve ter as mesmas precauções da população geral O novo Coronavírus mudou a rotina de muita gente e é importante estar atento à higienização correta das mãos, à etiqueta da tosse e ao isolamento social. Para...
A bebida alcoólica eleva o risco de um câncer de boca?
A bebida alcoólica pode ser, sim, um fator de risco para o desenvolvimento de um câncer. Essa associação ocorre não apenas para um tumor de cabeça e pescoço, como boca, faringe e laringe. O álcool também pode implicar problemas no esôfago, mama e intestino grosso...
O câncer de próstata e a Oncogenética
Alguns perfis de pacientes tendem a um risco aumentado de desenvolver esse tipo de tumor e precisam antecipar o rastreamento Câncer de próstata, uma enfermidade ligada ao fator genético. Estudos mostram que de 10 a 12% desse tipo de tumor estão associados a mutações genéticas...