Próstata

A próstata é uma glândula do tamanho de uma noz que só os homens têm. Fica logo abaixo da bexiga e na frente do reto e a uretra, o canal que transporta urina passa através dela. A próstata contém pequeninas glândulas especializadas que produzem parte do líquido seminal ou sêmen, que protege e nutre os espermatozóides.

Hormônios masculinos fazem com que a próstata se desenvolva no feto e ela vai crescendo à medida que um menino se torna adulto. Se o nível de hormônios masculinos for baixo, a glândula não vai atingir suas dimensões totais. Em homens mais velhos, freqüentemente à parte da glândula em torno da uretra cresce continuamente, causando a hiperplasia prostática benigna (HPB), que causa dificuldades no ato de urinar.

Embora a próstata seja constituída por vários tipos de células, a maioria dos cânceres de próstata tem origem nas células das glândulas que produzem líquido seminal. Eles são chamados de adenocarcinomas.

Na maioria das vezes, o câncer de próstata tem desenvolvimento lento e alguns estudos mostram que cerca de 80% dos homens de 80 anos, que morreram por outros motivos, tinham câncer de próstata e nem eles nem seus médicos desconfiavam. Em alguns casos, porém, ele cresce e se espalha depressa.

Alguns especialistas acreditam que o câncer de próstata começa com pequenas mudanças no tamanho e forma das células das glândulas da próstata. Essa alteração, conhecida como neoplasia intraepitelial prostática (PIN), podem ser de baixo grau (quase normais) ou de alto grau (anormais). Biópsia de próstata com PIN de alto grau indica grande chance de haver células cancerosas e exige novo exame.

Em 2012, cerca de 47 mil brasileiros receberão diagnóstico da doença, comparados a mais de 230 mil americanos. No Brasil, o câncer de próstata é a segunda causa de morte por câncer entre homens, ficando atrás apenas do câncer de pulmão. Nos EUA, é a terceira causa de morte por câncer, atrás do de pulmão e colorretal. Nos estados Unidos, as estatísticas indicam que 1 a cada 6 homens vai ter câncer de próstata, mas apenas 1 em cada 34 vai morrer por causa da doença. A taxa de mortalidade da doença está em queda, em parte porque está sendo diagnosticada precocemente.

Exames para Diagnóstico

TRIMprob: O A.C.Camargo Cancer Center foi a primeira Instituição do país a utilizar na prática clínica o TRIMprob (Sonda de Ressonância do Tecido Interferômetro), exame não invasivo que auxilia no diagnóstico do câncer de próstata.

O exame é realizado em consultório e dura apenas 10 minutos. O paciente é orientado pela equipe do Núcleo de Urologia a permanecer em pé e o equipamento é posicionado entre suas pernas. Ao emitir ondas eletromagnéticas, o TRIMprob é capaz de indicar uma alteração na próstata e ajuda na indicação de biópsia.

Recomendado para pacientes com suspeita de câncer de próstata que já se submeteram aos exames de toque retal, de sangue (PSA), o principal benefício é diminuir o número de homens com indicação para a realização da biópsia, exame que por ser invasivo pode trazer riscos ao paciente.

O equipamento é um complemento valioso para o diagnóstico tradicional, mas não substitui a avaliação clínica e o exame de toque retal. Também pode ser indicado para pacientes que trataram de câncer anal que não podem submeter-se ao exame de toque retal.

Biópsia:
 a biópsia é o único procedimento capaz de confirmar a presença de um câncer. O principal método utilizado nos casos de próstata é a core biópsia ou punção por agulha grossa. Em boa parte das vezes, o exame é feito com auxílio de uma ultrassonografia transretal, que ajuda a guiar o médico na inserção de uma agulha pela parede do reto até a próstata, removendo uma pequena amostra de tecido. Alguns especialistas preferem realizar a biópsia através da pele entre o reto e o escroto. O procedimento é rápido (dura cerca de 15 minutos). Como o câncer pode estar em apenas uma pequena área da próstata, a biópsia pode remover apenas tecido saudável, no que os especialistas chama de "falso negativo". Por isso, se o médico tem fortes suspeitas de um tumor, o exame pode ser repetido.

Cintilografia Óssea: este exame é feito quando há suspeita de que o câncer atingiu os ossos. Uma pequena quantidade de um composto radioativo (geralmente difosfonato de tecnécio) é injetada no paciente e essa substância se acumula em áreas dos ossos, com anormalidades, que podem ser causadas por metástase (a disseminação do câncer), artrite ou outras doenças dos ossos.

Tomografia Computadorizada: são múltiplas imagens de raios-X, produzidas enquanto a máquina gira em torno do paciente, combinadas por computador, para produzir uma imagem detalhada de uma parte do organismo. Geralmente, depois que as primeiras imagens são feitas, um contraste radioativo é injetado no paciente para definir melhor as estruturas do corpo. Em seguida, nova série de tomadas é feita. O exame pode revelar se o câncer de próstata se espalhou para os gânglios linfáticos da pelve. O exame é mais demorado que o raio-x convencional e o paciente tem de ficar imóvel numa mesa por cerca de meia hora ou mais. Algumas pessoas ficam um pouco aflitas por causa da sensação de confinamento dentro do equipamento.

Ressonância Magnética (MRI): a ressonância usa ondas de rádio e ímãs fortes em vez de raios-X. A energia das ondas de rádio é absorvida e depois liberada num padrão dado pelo tipo de tecido do corpo e certas doenças. Um computador analisa os dados e os transforma em imagens detalhadas. No caso de câncer de próstata, ele ajuda a ver se a doença atingiu as vesículas seminais e a bexiga. O exame dura cerca de uma hora e o paciente fica deitado dentro de um tubo, o que é incômodo para quem sofre de claustrofobia. Além disso, a máquina faz um ruído que irrita algumas pessoas.

Radioimunocintilografia (ProstaScint): como a cintilografia óssea, a radioimunocintilografia usa pequenas quantidades de material radioativo para ver se o câncer não está mais restrito à próstata, com a vantagem de que este exame identifica se a doença atingiu gânglios linfáticos e outros órgãos. Ele também identifica o câncer de outros problemas.

Biópsia de Gânglio Linfático: o exame é feito para checar se o câncer atingiu gânglios linfáticos. Se isto ocorreu, a cirurgia pode não ser a melhor opção de tratamento e o médico vai procurar alternativa. Há vários tipos de biópsia:

Biópsia Cirúrgica: o médico pode remover os gânglios linfáticos através de uma pequena incisão, durante a cirurgia para retirada da próstata. Os nódulos são analisados ao microscópio ainda durante a cirurgia e o resultado do exame ajuda o médico a decidir se é necessário remover mais tecido ou não.

Laparoscopia: pequenas incisões são feitas no abdômen, através das quais câmera e equipamentos especiais são inseridos. O médico pode observar os nódulos linfáticos e removê-los. A vantagem é que a recuperação é rápida (1 ou 2 dias) e o paciente não fica com cicatrizes. O método pode ser usado quando médico e paciente optam por radioterapia em vez de cirurgia.

Biópsia por Aspiração com Agulha Fina (BAAF): o médico também pode obter amostra do tecido dos gânglios linfáticos usando uma agulha fina e tomografia para guiá-lo. O método não é muito utilizado em câncer de próstata.

Sinais e sintomas

Em seus estágios iniciais, o câncer de próstata não costuma apresentar sintomas. Dificuldade para urinar pode ser sintoma de câncer, mas também de hiperplasia benigna. É recomendável consultar um urologista se o paciente apresentar os seguintes sintomas:

  • urinar pouco de cada vez;
  • urinar com freqüência, especialmente durante a noite, obrigando-o a se levantar várias vezes para ir ao banheiro;
  • dificuldade para urinar;
  • dor ou sensação de ardor ao urinar;
  • presença de sangue na urina ou sêmen;
  • ejaculação dolorosa.

Pacientes com câncer de próstata podem ter de escolher entre uma série de diferentes tratamentos, cada uma com riscos, efeitos colaterais e conseqüências diversas para a sua vida. É preciso ter calma, assimilar bem as informações do médico, tirar dúvidas que dá mais segurança quanto às escolhas terapêuticas.

O melhor tratamento para cada caso depende de uma série de fatores, como idade, estado geral de saúde. Seus sentimentos em relação aos efeitos colaterais de cada terapia, o estadiamento da doença e a chance de cada tratamento de curar o câncer.

Cirurgia, radioterapia e terapia hormonal são as opções mais comuns. A quimio pode ser usada em alguns casos e, em outros, médico e paciente podem optar por apenas acompanhar a evolução da doença, sem nenhuma forma ativa de tratamento.

Esperar para ver

Como alguns tipos de câncer de próstata crescem devagar, certos pacientes podem nunca precisar de tratamento, especialmente quando eles são idosos ou têm outros problemas de saúde. Nestes casos, o médico pode optar por acompanhar a doença e, literalmente, esperar para ver.

O especialista vai acompanhar a doença através do teste de PSA e toque retal, sem recomendar cirurgia ou radioterapia, especialmente se o câncer não causa sintomas, tem crescimento lento e está restrito a uma área da próstata. Se o crescimento do tumor se acelerar, médico e paciente discutem a forma de tratamento. Esta não é opção para homens jovens, com boa saúde e câncer de crescimento rápido.

Ultrassom Robótico - Ablatherm HIFU

Para pacientes com câncer de próstata o A.C.Camargo Cancer Center proporciona o tratamento com o Ablatherm HIFU (ou termoablação), um equipamento robótico que usa ultrassom focalizado de alta intensidade no tratamento desses tumores. A tecnologia trabalha com ondas de ultrassom concentradas só nas partes da próstata atingidas por tumores e, dessa forma, causa poucos efeitos colaterais em comparação aos tratamentos-padrão, como cirurgia e radioterapia. Entre os benefícios da tecnologia estão evitar cirurgias e eventuais sangramentos advindos desse procedimento, pois trata o paciente de forma minimamente invasiva; destruir as células do câncer de maneira focalizada e permitir a repetição do tratamento se for necessário, com menos efeitos colaterais. A máquina é a única que permite tratar só uma parte ou algumas partes da próstata e ainda preservar os nervos, oferecendo assim a oportunidade de agir sobre a doença com eficácia e com menor impacto na qualidade de vida do paciente.

Passo a passo do HIFU
1) O paciente é deitado na maca e recebe uma anestesia.
2) A sonda, inserida pelo ânus, mapeia a próstata do paciente emitindo ondas de ultrassom. Isso gera uma imagem 3D que o cirurgião usa para planejar a intervenção.
3) Seguindo as instruções dadas pelo médico, a sonda começa a emitir o ultrassom de alta frequência que aquece e mata o tumor. As emissões acontecem a cada dez segundos e esquentam o tecido a 85ºC. Quando o tratamento envolve toda a próstata a duração é em torno de duas horas. Em se tratando de apenas um ponto específico da próstata o tempo médio é de apenas 40 minutos.

Cirurgia

Entre as vantagens da laparoscopia estão menor sangramento e dor, menos tempo de hospitalização e recuperação mais rápida. Em alguns centros médicos americanos, robôs-cirurgiões são usados no procedimento, acelerando ainda mais a recuperação.

Ressecção transuretral da próstata: é utilizada para aliviar sintomas, como dificuldade para urinar, em homens que não podem fazer outros tipos de cirurgia ou até mesmo nos que sofrem de hiperplasia benigna. Ela não remove todo o câncer.

Riscos e efeitos colaterais da prostatectomia radical

Os riscos são os mesmos das grandes cirurgias e dependem, em grande parte, do estado geral de saúde do paciente, sua idade e da experiência do cirurgião. Eles envolvem desde o aparecimento de coágulos nas pernas, hemorragias, infecções até enfartes.

Os principais efeitos colaterais da prostatectomia radical são a incontinência urinária (perda do controle da bexiga) e impotência, que também podem surgir como conseqüência de outros tratamentos:

  • Incontinência urinária: significa a perda de controle sobre o ato de urinar o que, além de conseqüências físicas, tem impacto emocional. O controle da bexiga volta para muitos homens depois de semanas ou meses da cirurgia, mas os médicos não têm como prever se e quando isso acontecerá. Os riscos de incontinência são menores quando a cirurgia é realizada em grandes centros, com médicos especializados na remoção da próstata. Casos de incontinências devem ser relatados ao médico, que vai sugerir meios de ajudar o paciente como exercícios que fortalecem a bexiga, administração de medicamentos ou mesmo cirurgia.
  • Impotência: os nervos que controlam a ereção podem ser afetados pela cirurgia, radioterapia ou outros tratamentos. Num período de 3 meses a 1 ano após a cirurgia é provável que o paciente não consiga ter uma ereção sem ajuda de medicamentos ou outro tipo de terapia. Depois disso, alguns vão ter vida sexual normal e outros continuarão a ter problemas, O risco de impotência depende de sua idade e do tipo de cirurgia. Quanto mais jovem o paciente, maiores as chances de recuperar a capacidade de ter ereção. Mas será um orgasmo "seco", já que o organismo não produz sêmen sem a próstata. O paciente deve conversar com seu médico sobre impotência, já que existem remédios, equipamentos e implantes que podem ajudá-lo em sua vida sexual.
  • Esterilidade: a prostatectomia radical secciona os canais entre os testículos (onde são feitos os espermatozóides) e a uretra, o que significa que o paciente se torna incapaz de ter filhos, o que não costuma ser problema para quem tem câncer de próstata, que atinge homens de mais idade. Pacientes mais jovens, porém, devem discutir a possibilidade de recorrer a uma clínica de fertilidade e armazenar esperma antes da cirurgia.

Radioterapia

É o tratamento com raios de alta energia que matam as células cancerosas ou fazem o tumor encolher. A fonte pode ser externa ou interna (braquiterapia), em que o material radiativo é colocado diretamente no tumor ou perto dele. Ela é usada às vezes no câncer de próstata que não atingiu outros órgãos ou se espalhou apenas para tecidos próximos e parece funcionar tão bem quanto a cirurgia em certos casos. Se a doença estiver em estágio mais avançado, ela pode ser empregada para encolher o tumor e aliviar a dor:

Radioterapia externa ou radioterapia por fonte externa: o tratamento dura apenas alguns minutos e é feito várias vezes por semana. Os efeitos colaterais incluem diarréia - às vezes com sangue nas fezes, irritação intestinal, micção freqüente, ardor ao urinar, sangue na urina ou sensação constante de que a bexiga está cheia. A incontinência urinária é menos comum que na cirurgia, mas existem casos e algumas pesquisas indicam que esses casos aumentam ao longo do tempo. Os casos de impotência aparecem um ano ou mais após o tratamento - 50% deles reagem bem a medicamentos.

Braquiterapia ou radioterapia por fonte interna: utiliza sementes radiativas do tamanho de um grão de arroz que são colocadas diretamente na próstata. Podem ser temporárias (altas doses) e permanentes (com doses mais baixas de radiação). A primeira exige internação por alguns dias e consiste na aplicação de material radiativo por período e 5 a 15 minutos, depois dos quais as sementinhas são retiradas. O procedimento é repetido por alguns dias, durante os quais o paciente fica internado e se recomenda que evite o contato com mulheres grávidas e crianças pequenas. Nos implantes definitivos, recomenda-se que o paciente não tenha contato prolongado com grávidas e crianças pequenas nos dois primeiros meses do tratamento.

Criocirurgia ou crioablação:  é a introdução de sondas que produzem temperaturas muito baixas e congelam as células cancerosas. As sondas são posicionadas através de incisões entre o ânus e o escroto e gases frios criam pequenas bolas de gele que provocam o congelamento dos tecidos doentes. A criocirurgia é uma opção para os casos em que o câncer ainda está restrito à próstata em pacientes que não são candidatos à cirurgia ou radioterapia: Um cateter também é colocado para que, quando a próstata inche, a urina não fique retida na bexiga. O cateter é retirado depois de alguns dias e o paciente sente um certo desconforto na região em que as sondas foram introduzidas.

Hormonioterapia ou Privação androgênica: seu objetivo é baixar os níveis de hormônios masculinos (andrógenos) como a testosterona, já que eles estimulam o crescimento das células cancerosas. A hormonioterapia não substitui os tratamentos destinados a curar o câncer, apenas encolhe o tumor ou reduz seu ritmo de crescimento. Às vezes ela é usada antes da cirurgia ou radioterapia para encolher o tumor. Ela é empregada também nos casos em que cirurgia e radioterapia não são boas opções para o paciente, quando o câncer se espalha ou ainda quando volta após um primeiro tratamento. Além disso, a hormonioterapia alivia sintomas e alguns médicos acreditam que ela funciona melhor se iniciada logo que o câncer atinge um estágio avançado, mas não há consenso quanto a isso. Como quase todos os cânceres de próstata se tornam resistentes a essa terapia, os médicos podem interrompê-la temporariamente e retomá-la posteriormente. Há vários métodos usados na hormonioterapia, entre eles:

Orquiectomia ou castração cirúrgica: é a remoção dos testículos, principal fonte de hormônios masculinos. O procedimento é simples, mas é permanente e provoca a perda definitiva do desejo sexual, daí a dificuldade de muitos pacientes em aceitá-la. Além disso, ela tem vários efeitos colaterais sérios, entre eles ondas de calor, crescimento das mamas, osteoporose, fraqueza, perda de massa muscular, anemia, cansaço, baixos níveis de colesterol bom, depressão e aumento do peso. Vários deles têm tratamento.

Terapia com análogo de LHRH ou castração química: são drogas injetáveis que reduzem os níveis de hormônios como na orquiectomia, administradas mensalmente, ou a cada três meses. Essas drogas são chamadas análogos ou agonistas do receptor do hormônio liberador do hormônio luteinizante. Muitos homens preferem essa terapia à alternativa cirúrgica. Os efeitos colaterais, porém, são os mesmos.

Antiandrogênicos: são drogas que bloqueiam a capacidade do corpo de usar androgênicos. Mesmo depois da remoção dos testículos ou durante o tratamento com LHRH, as glândulas adrenais (ou supra-renais) continuam a produzir uma pequena quantidade de androgênios. Antiandrogênicos podem ser usados com a orquiectomia ou análogos de LHRH para bloquear os hormônios masculinos. Entre seus efeitos colaterais estão diarréia, náusea, problemas no fígado e cansaço. Também parecem causar menos problemas para a vida sexual do paciente.

Quimioterapia

É o tratamento com uma ou mais drogas injetáveis ou administradas por via oral, que caem na corrente sanguínea e atingem o corpo todo, destruindo as células cancerosas. Até pouco tempo atrás, a quimio não funcionava bem em pacientes com câncer de próstata, mas novas drogas têm se mostrado eficazes para aliviar os sintomas de doentes em estágio avançado. A quimioterapia é usada às vezes quando o câncer não está mais restrito à próstata e a hormonioterapia não dá resultados. A quimio não cura o câncer, mas reduz o ritmo de crescimento do tumor, a dor e podem prolongar a vida. Ela destrói células cancerosas, mas também mata células sadias, o que produz certos efeitos colaterais, entre eles náusea, vômitos, perda de apetite, queda de cabelos e lesões na boca. Além disso, o paciente fica sujeito a maior risco de infecções (por queda na quantidade de glóbulos brancos), risco maior de sangramentos e hematomas (por diminuição no número de plaquetas) e cansaço (por falta de glóbulos vermelhos).

Tratamento da dor e outros sintomas

Ter qualidade de vida durante e depois do tratamento também são metas importantes. A equipe médica deve ser informada de dores e outros sintomas que incomodem o doente. A radioterapia e drogas radiofarmacêuticas também podem ser utilizadas para tratar a dor provocada pelo câncer que atingiu os ossos. São substâncias com elementos radiativos que, injetadas, se acumulam nas partes dos ossos com células cancerosas. Esse procedimento é eficaz em 80% dos pacientes com câncer que atingiu os ossos, para alívio dos sintomas.

Outro grupo de drogas que pode ajudar esses pacientes é o dos bisfosfonatos, que aliviam a dor, podem retardar o crescimento das células cancerosas e fortalecer os ossos de pacientes submetidos à hormonioterapia. Alguns pacientes, porém, sofrem efeitos colaterais graves, a morte de parte do osso da mandíbula, provocando infecções e perda de dentes. Por isso, médicos recomendam um check-up dentário completo antes de iniciar esse tipo de terapia.

Os corticosteróides também podem aliviar as dores nos ossos, bem como outros analgésicos.

Estadiamento

Saber em que estágio está o câncer é fundamental para o planejamento do tratamento, para que o paciente e seu médico possam discutir alternativas terapêuticas e para que a equipe que cuida do caso tenha uma perspectiva mais definida das possibilidades de recuperação.

O estadiamento do câncer de próstata tem como base o quanto às células da amostra se assemelham às células normais. Aquelas muito diferentes das normais podem indicar um câncer agressivo, que cresce depressa.

O sistema mais usado para estadiamento do câncer de próstata é chamado de escala de Gleason. Amostras de duas áreas da próstata são analisadas e graduadas de 1 a 5 e os resultados produzem o grau de Gleason, que vai de 2 a 10. Quanto menor o valor, mais as células das amostras se assemelham a células normais da próstata. Quanto maior o valor, mais provável que o câncer cresça rapidamente. Em alguns casos, as células não parecem cancerosas, mas também não parecem normais, o que significa que novas biópsias serão feitas posteriormente. Baseado nos resultados do toque retal, do PSA e da escala de Gleason, o médico fará o estadiamento do câncer de próstata, podendo, ainda, pedir novos exames, dependendo da presença de outros sintomas.

Na prática, existem dois sistemas de estadiamento do câncer de próstata. O estágio clínico é a estimativa da extensão da doença, dada pelo exame físico, exames de laboratório e outros. Após a cirurgia, e análise do tecido removido, o estadiamento pode mudar. Esta análise determina o estágio patológico da doença. Os estágios da doença são indicados por algarismos romanos, que vão de zero a IV (4) e quanto maior o número, mais grave a fase da doença.

Estádio I: O tumor ainda está confinado à próstata, sem comprometimento dos nódulos linfáticos e outros órgãos. Foi encontrado durante ressecção transuretral. Baixo grau de Gleason. Menos de 5% do tecido da biópsia contém câncer.

Estádio II: O tumor ainda está confinado à próstata, sem comprometimento dos nódulos linfáticos e outros órgãos. E há uma das seguintes condições:

  • Tumor foi encontrado durante ressecção transuretral. Tem grau de Gleason igual ou acima de 5 ou mais de 5% do tecido de biópsia contém câncer. Ou foi percebido por causa de PSA alto, não pode ser sentido por toque retal nem visto por ultrassom transretal e foi diagnosticado por biópsia por agulha.
  • umor pode ser sentido por toque retal ou visto por ultrassom transretal.

Estádio II: O tumor se espalhou e pode ter atingido as vesículas seminais, mas não alcançou os gânglios linfáticos ou outros órgãos.

Estádio IV: Uma ou mais das seguintes condições estão presentes:

  • O câncer se espalhou para tecidos próximos à próstata (que não as vesículas seminais), como os músculos que controlam no controle da urina, o reto ou a parede da pelve;
  • O câncer atingiu os gânglios linfáticos;
  • O câncer se espalhou para partes mais distantes do corpo.

O câncer de próstata pode ser diagnosticado precocemente pela combinação de um exame de sangue, que avalia os níveis de PSA (do inglês prostate-specific antigen, antígeno prostático específico), e pelo exame de toque retal. Como a próstata fica logo na frente do reto, o exame permite que o médico sinta se há nódulos ou tecidos endurecidos, indicativos da existência de câncer, provavelmente em estágio inicial.

É bom lembrar que esses exames não têm 100% de precisão e que a realização de novos testes vai depender de vários fatores, entre eles sua idade e estado geral de saúde. Pacientes jovens com câncer de próstata que não é diagnosticado precocemente podem ter reduzida sua expectativa de vida, enquanto que em pacientes idosos com saúde já abalada o câncer de próstata pode nem ser um problema sério, já que seu crescimento é lento.

A recomendação-padrão é que homens saudáveis façam exames anuais de PSA e toque retal a partir dos 50 anos. Homens com risco maior (aqueles que têm parentes que tiveram câncer de próstata jovens) devem começar os exames mais cedo, aos 40 anos.

Exame de PSA

O PSA é uma substância produzida normalmente pela próstata, em grande parte presente no sêmen e uma pequena quantidade no sangue. Na maioria dos homens, os níveis de PSA estão abaixo dos 4 ng/numberamel (nanogramas por mililitro), mas o câncer de próstata pode aumentar essa taxa. Se o nível de PSA está entre 4ng/numberamel e 10 ng/numberamel, há 1 chance em 4 de câncer de próstata. Se o PSA está acima de 10 ng/numberamel as chances de ter câncer vão subindo à medida em que aumentam os níveis de PSA. No entanto, há homens com PSA abaixo de 4ng/numberamel que têm câncer de próstata.

Outros fatores também podem desencadear aumento nos níveis de PSA, entre eles, ter HPB ou infecção na próstata, tomar certos medicamentos e envelhecimento. Homens com PSA elevado precisam fazer outros exames para ver se realmente têm câncer.

O PSA também é útil após o diagnóstico de câncer de próstata, para determinar o tipo de tratamento. Níveis muito altos podem indicar que o câncer já se espalhou e algumas formas de tratamento não são eficazes nestes casos, havendo alternativas melhores. O teste de PSA também pode ser usado para verificar se o tratamento está funcionando ou se o câncer voltou. Nos casos avançados da doença, a maneira como os valores do PSA se alteram pode ser mais importante do que os índices propriamente ditos.

Exame de Toque Retal

É realizado na tentativa de identificar áreas irregulares ou endurecidas na próstata. É justamente na área da glândula que pode ser alcançada pelo reto que começa a maioria dos cânceres de próstata. O exame é rápido, não dói, embora cause um certo desconforto. O toque retal é menos preciso que o exame de PSA, mas às vezes é capaz de detectar tumores em homens com PSA normal.