Doe sangue

Departamento de Hemoterapia e Terapia Celular

O Departamento de Hemoterapia e Terapia Celular do A.C.Camargo Cancer Center garante os padrões de qualidade e excelência, seguindo rigorosamente as normas vigentes. Conta com corpo clínico composto por médicos especialistas em Hematologia e Hemoterapia, além de equipe de enfermagem e biomédicos qualificados e capacitados, e dispõe do que há de mais moderno e seguro em termos de técnicas, materiais e equipamentos.

Banco de sangue:

Horários de funcionamento:
Segunda a sexta, das 8h às 17h.
Sábados, das 8h às 15h.
O banco de sangue não abre aos domingos e feriados.

 

Endereço:
Rua Professor Antônio Prudente, 211, Liberdade - São Paulo

Telefone:
(11) 2189-5000 - ramal 2233

Terapia Celular

A Terapia Celular do A C Camargo Cancer Center é responsável pela coleta, congelamento e armazenamento de células progenitoras hematopoiéticas para Transplante de Medula Óssea Alogênicos e Autólogos. Executa também procedimentos adjuvantes como Aféreses Terapêuticas, coleta e infusão de Linfócitos e Granulócitos e Fotoaférese Terapêutica, contando com equipe multiprofissional qualificada a fim de garantir a segurança e as melhores práticas assistenciais.

É importante saber

Os Bancos de Sangue trabalham sempre com os estoques no limite. Devemos considerar que, por mais que a Medicina tenha evoluído e a tecnologia proporcione aos pacientes transfusões mais seguras e componentes do sangue mais específicos para cada situação, ainda não se descobriu um substituto tão eficiente e seguro ou até mesmo uma forma de "fabricar" o sangue.

Até os dias atuais, o paciente que necessita de transfusões para o sucesso de seu tratamento depende completamente da solidariedade do doador voluntário. Por esta razão, a doação de sangue deve ser estimulada constantemente e é fundamental a conscientização de todos sobre a sua importância.

O que é preciso para ser um doador?

Para ser um doador o candidato deve:

  • Ter entre 16 anos completos e 69 anos, 11 meses e 29 dias;
  • Os candidatos à doação de sangue com idade entre 16 e 17 anos devem possuir consentimento formal, por escrito, do seu reponsável legal para cada doação que realizar. O responsável pelo menor de idade tem que estar presente e ter uma cópia de um documento oficial (RG ou habilitação);
  • O limite para a primeira doação é de 60 anos, 11 meses e 29 dias;
  • Apresentar peso acima dos 55 quilos;
  • Estar bem alimentado, descansado, e sem ter feito uso de bebidas alcoolicas nas 12 horas que antecedam a doação
  • Estar saudável nos últimos 6 meses,
  • Não ter nenhuma doença crônica do tipo cardíaca, vascular, renal, reumática;
  • Não ter ou ter tido câncer
  • Não estar grávida, ou ter tido aborto ou parto há menos de 3 meses ou estar amamentando;
  • Não ter feito algum procedimento endoscópico nos últimos 6 meses;
  • Não ter fator de risco, antecedentes ou infecções agudas por agentes transmitidos através do sangue;
  • Não ter estado em áreas endêmicas ou com epidemias confirmadas, nacionais ou internacionais, para Febre Amarela, Dengue, Zika ou Chikungunya nos 30 dias antecedentes à doação.
  • Apresentar-se no Banco de Sangue portando um documento oficial com foto
Todas as pessoas podem doar sangue?

Toda pessoa que, numa primeira avaliação, se encaixe nos critérios acima pode candidatar-se à doação.

Após o cadastro, o candidato é submetido a uma avaliação de dados vitais (pressão arterial, frequência cardíaca, temperatura) e dosagem de hemoglobina, conhecida popularmente como "teste de anemia".

Estando tudo dentro da normalidade, após esta avaliação, o candidato responde a uma entrevista sobre seus antecedentes médicos, epidemiológicos, de viagens, hábitos sexuais e outros pontos de extrema importância para a segurança do candidato e do paciente que receberá o sangue doado. As pessoas que possuam algum histórico de doença que possa oferecer à sua própria saúde riscos decorrentes da retirada do volume de sangue destinado à doação, bem como aquelas que foram expostas a situações de risco para infecções transmissíveis através do sangue são recusadas como doadores.

Respostas do doador garantem o sangue seguro

Durante a entrevista clínica o doador é perguntado sobre seus antecedentes médicos, doenças crônicas, uso de medicamentos, infecções recentes, realização de procedimentos cirúrgicos, odontológicos ou endoscópicos, viagens recentes a regiões endêmicas para doenças transmitidas através do sangue, hábitos sexuais, uso de drogas ilícitas e condições gerais de saúde.

São muitas as doenças e situações que restringem o candidato à doação de sangue, sempre com os objetivos maiores de proteger a integridade física do paciente que receberá o sangue e de preservar a saúde do doador.

Ao doar sangue, eu corro algum risco?

A grande maioria das doações de sangue ocorrem de maneira segura e sem intercorrências. Em alguns casos podem ocorrer reações leves como ansiedade, tonturas, palidez cutânea, náuseas, sudorese, desmaios ou pequenos hematomas; reações mais graves são raras. Essas complicações habitualmente ocorrem nas dependências do Banco de Sangue e são prontamente atendidas pelas equipes médica e de enfermagem do Serviço. Para se evitar estas intercorrências, é importante que o doador não omita nenhuma condição que contra-indique a doação na entrevista, e siga as instruções fornecidas pelo Serviço, tanto durante como no período pós doação.

Vale a pena desmistificar as suposições de que o doador corre o risco de se contaminar ao doar sangue, que o sangue "engrossa", "afina", ou que doar sangue "vicia": todo o material utilizado é descartável e não há risco de contaminações. O sangue doado é reposto pelo organismo em curto intervalo de tempo e não há mudanças na espessura ou viscosidade do sangue devido a doação.

Testes no sangue doado

O sangue é testado com marcadores sorológicos para as seguintes doenças: Hepatite B e C, Sífilis, Doença de Chagas, AIDS, Pesquisa para HTLV I/II (vírus associado à leucemia/linfoma de células T).

É realizada também a Tipagem sanguínea ABO/Rh e Pesquisa de Anticorpos Irregulares, bem como a pesquisa de Hemoglobinopatias no sangue doado.

O doador recebe os resultados dos exames no endereço para correspondência informado e, caso haja alguma alteração no resultado, ele é comunicado: nesses casos, o comparecimento do doador é fundamental para o esclarecimento da alteração laboratorial observada no material coletado. O Banco de Sangue disponibiliza um período dedicado exclusivamente ao atendimento aos doadores com resultados alterados.

Aplicações do sangue doado

O sangue doado é fracionado em componentes, que são prescritos pelo médico e aplicados em situações clínicas específicas, conforme as necessidades dos pacientes.

Tabela de compatibilidade de tipos sanguíneos
Receptor Doador
O- O+ A- A+ B- B+ AB- AB+
O-
O+
A-
A+
B-
B+
AB-
AB+
Cuidados após a doação

Alguns cuidados são necessários para garantir a não ocorrência ou minimizar os efeitos adversos após a doação.

  • Ingerir bastante líquido;
  • Não tomar bebida alcoólica ou realizar exercícios físicos no dia da doação;
  • Não fazer força com o braço que foi puncionado;
  • Não fumar por, no mínimo, 2 horas;
  • Não deve viajar de avião nas 2 horas seguintes;
  • Aguardar 30 minutos para dirigir carro e 1 hora para dirigir motocicleta;
  • Comunique ao Banco de Sangue caso apresente qualquer sintoma de processo infeccioso, como febre e diarreia até 7 dias após a doação;
  • Se o doador sentir alguns desses sintomas ou outro que não considere normal, deve comunicar imediatamente ou retornar ao Banco de Sangue, para avaliação e orientação médica.
Doação de plaquetas

Além dos glóbulos vermelhos, o sangue contém glóbulos brancos, plaquetas e plasma. As plaquetas são fragmentos celulares provenientes da medula óssea e sua principal função é participar do processo da coagulação, responsável pela suspensão das hemorragias. Pacientes com câncer sofrem redução do nível de plaquetas no sangue em decorrência do tratamento oncológico e do próprio diagnóstico. No A.C.Camargo Cancer Center, 60% das transfusões realizadas são de plaquetas.

Como funciona?

A doação de plaquetas pode ser feita a partir de uma doação de sangue normal ou por meio do procedimento plaquetaférese, em que somente as plaquetas são retiradas.

Quem pode doar?

Os pré-requisitos são semelhantes aos de uma doação de sangue. Há também algumas condições especiais:

  • O doador de plaquetas deve ter mais de 60 kg e;
  • Não ter utilizado anti-inflamatórios pelo menos cinco dias antes da doação;
  • Não deve ter ingerido alimentos gordurosos nas últimas três horas;
  • Nos três dias anteriores à doação, não deve consumir medicamentos que contenham ácido acetilsalicílico (AAS), anti-inflamatórios e alguns tipos de anti-hipertensivos;
  • É necessária uma contagem de plaquetas e ter uma quantidade mínima para realizar o procedimento;
  • O doador também precisa de além de veias de fácil acesso e que produza um fluxo adequado de sangue para o equipamento.

Como doar plaquetas por plaquetaférese

Para doar plaquetas por plaquetafére, o doador deve fazer uma doação de sangue total e solicitar seu cadastro para doação de plaquetas. Caso os testes de sangue não apresentem problemas, o doador será convidado para a doação de plaquetas, com agendamento telefônico prévio.

Caso o doador tenha doado sangue há menos de três anos e tenha a carteirinha de doador com testes "não reativos", ele está apto a doar plaquetas.

Qual o intervalo de tempo para doar novamente?

Após 48 horas da doação, o organismo já repôs a quantidade de plaquetas retirada. De qualquer maneira, é importante esperar pelo menos uma semana para fazer uma nova doação. Além disso, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária determina que uma pessoa só possa doar plaquetas até no máximo 24 vezes por ano, em média, duas vezes por mês.