Sintomas mais frequentes dos tumores cerebrais

Há uma enorme variedade de alterações possíveis, secundárias a lesões que acometem o cérebro, desde o comprometimento de qualquer dos cinco sentidos até sinais sutis como dificuldade para cálculos simples ou para lembrar os nomes de objetos comuns do dia a dia.

O cérebro comanda todas as funções do corpo, desde a respiração à recordação de algum fato agradável ocorrido muito tempo atrás, suscitada por um perfume ou um detalhe incomum; do piscar de um olho à composição inspirada de uma música ou de uma poesia; cada função é "controlada" por uma área específica desse órgão, que atualmente é considerado o centro da vida, tanto que a perda completa de sua atividade, a morte cerebral, permite a retirada de órgãos para transplante.

Por essa multiplicidade de capacidades, o sintoma que o paciente apresentará está diretamente relacionado ao comprometimento da função comandada pela região acometida; por exemplo, tumores que lesem o córtex visual, localizado nos lobos occipitais, região posterior da cabeça, provocarão alterações do campo visual, ou seja, o paciente perceberá "manchas" escurecidas em seu campo visual; por outro lado, tumores que se localizem em áreas menos eloquentes, como as regiões anteriores dos lobos frontais, podem evoluir de modo praticamente assintomático, até atingirem tamanho consideravelmente grande.

Apesar de ser o "centro de controle" de todo o corpo, o cérebro não dói, em outras palavras, a manipulação do tecido cerebral não causa dor. Com alguma frequência, aparecem programas na mídia, causando grande espanto, mostrando cirurgia em que o paciente é operado acordado, com o cérebro exposto. Tal condição é necessária quando a colaboração do paciente é imprescindível, como quando se opera próximo à área cerebral responsável pela expressão: com estímulos elétricos de baixa amplitude, o cirurgião localiza e evita centros nervosos relevantes, tornado a cirurgia mais segura.

As estruturas da cabeça cujo manuseio provoca dor são a pele e o couro cabeludo, as membranas que contêm e recobrem o cérebro, chamadas meninges, e os vasos sanguíneos, artérias e veias. Uma vez anestesiadas, é possível manipular o tecido cerebral sem que o paciente sinta dor ou desconforto. Dessa forma, ao contrário do senso comum, cefaleia, termo médico para dor de cabeça não é o sintoma mais frequente dos tumores cerebrais em adultos.

Ela pode estar presente em um grande número de situações, como os acidentes vasculares cerebrais (AVCs), principalmente os hemorrágicos, meningites e hidrocefalia, doenças próprias do sistema nervoso central, e outras situações não diretamente neurológicas, como distúrbios oculares, sinusites e otites, alterações da coluna cervical, doenças sistêmicas, como em crises de hipertensão arterial, e até mesmo a causas psicossomáticas, como na cefaléia tensional, por stress ou depressão.

É importante ressaltar que em crianças dor de cabeça é um sintoma que deve ser visto com atenção. Embora tumores cerebrais sejam estatisticamente raros, representando menos de 2% de todos os tumores na faixa etária da infância e adolescência, são as neoplasias mais frequentes, superando as leucemias. A associação de cefaleia e vômitos, preferencialmente matinais, deve ser encarada com extremo cuidado e indica-se, nestes casos, a realização de tomografia computadorizada de crânio (exame de fácil execução, custo acessível e acesso relativamente fácil, comparado à ressonância nuclear magnética), principalmente antes da realização de punção para colheita do líquido cefalorraquiano, o líquor, para afastar meningite, doença infelizmente comum em nosso País. Isso porque realizar a punção em paciente com tumor cerebral pode provocar piora intensa e severa, com risco de morte, por levar a desequilíbrio da pressão intracraniana.

A crise convulsiva sim é o sintoma mais frequente, e que mais deve levantar a suspeita de um tumor cerebral, principalmente se ocorrer após os 18 anos. Consiste no aparecimento de movimentos involuntários que podem se iniciar em um braço ou uma perna - crise focal ou parcial -, podendo atingir os demais membros em sequência e ser seguida de perda da consciência - crise generalizada.

Concluindo, a ocorrência de crise convulsiva, parcial ou generalizada, impõe a realização de exames de imagem, preferencialmente a ressonância nuclear magnética do crânio, para diagnóstico precoce de tumor cerebral.

É como no filme "Antes de Partir" (The bucket list), com Morgan Freeman e Jack Nicholson, que interpretam, respectivamente, um mecânico (Carter) e um capitalista ferrenho, dono de hospital (Edward). Ambos estão internados em uma mesma enfermaria para tratamento de câncer e se tornam grandes amigos, após inúmeros contratempos enfrentados por Edward durante o tratamento - cirurgia, radioterapia e quimioterapia - de um tumor cerebral. Como o prognóstico de ambos é de curto tempo de vida, eles partem em viagem pelo mundo, para realizar sonhos de toda uma vida, anteriormente adormecidos, e acertar suas contas com familiares e entes queridos; lá pelas tantas, Carter sofre uma convulsão, causada por metástase cerebral, sinal de progressão do seu câncer - e que, atualmente, representa o tipo mais comum de tumor cerebral. Quem viu o filme deve lembrar o que se segue.

Assim, cefaleia não é o sintoma mais frequente de tumores cerebrais, o que não quer dizer que não possa acontecer, principalmente quando tal tumor atinge grande tamanho, aumentando a pressão intracraniana; como diz a advertência geral: um médico deve ser consultado.


Dr. Paulo Issamu Sanematsu Junior, Diretor do Departamento de Neurocirurgia
CRM 27775



Veja também:


Tudo sobre câncer - cérebro e sistema nervoso central

Tudo sobre câncer - cérebro e sistema nervoso central - Infantil

Departamento de Neurocirurgia do Hospital A.C.Camargo

Veja aqui todos os artigos relacionados para Homens, para escolher outra categoria clique aqui.

Selecionar