Ementa de Disciplina

Ementa de Disciplina

A.C.Camargo Cancer Center Uro Onco Journal Club

Professores responsáveis
Stênio de Cássio Zequi, Gustavo Cardoso Guimarães e Walter Henriques da Costa

Período
06/03/2018 a 04/12/2018, toda primeira terça de cada mês, das 7h30 às 9h

Local 
Sala 1 Pós-Graduação 

Créditos 
5 créditos

OBJETIVOS

  • Estimular o desenvolvimento de senso crítico dos alunos e aperfeiçoamento no conhecimento da literatura internacional.
  • Estímulo aos alunos para desenvolverem habilidades didáticas e transmissão de conhecimento.
  • Todos alunos da Pós Graduação são convidados. Aos orientandos voltados à Urologia, a participação será obrigatória.

JUSTIFICATIVA

O nosso Programa de pós-graduação tem como característica a Multidisciplinariedade e uma significativa carga de informação a nível de ciência básica, principalmente em aspectos biomoleculares do câncer e em fatores epidemiológicos e estatísticos. Por outro lado é fundamental a atualização de debates constantes focados na melhoria dos cuidados aos nossos pacientes, frente a imensa carga de informações disponibilizadas diariamente. O desenvolvimento de um senso crítico frente aos interesses científicos e versus as inúmeras outras fontes de interesse são fundamentais na formação líderes de formação de opinião. Discutindo a literatura os alunos se encontrarão mais preparados para os processos de produção científica.

CONTEÚDO

Discussão de Artigos.

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

Serão fornecidos certificados de presença e conclusão para aqueles com frequência mínima de 75% das reuniões

REFERÊNCIAS

  • European Urology
  • Journal of Urology
  • International Brazilian Journal of Urology
  • British Journal Urol International
  • Journal of Clinical Oncology
  • Jama, New England Journal of Medicine, Cancer, The Lancet
  • Irjbiofis , Red Journal
  • British Medical Journal
  • European Journal of Cancer
  • Nature, Science, Entre Outros

LIMITE DE ALUNOS

Mínimo de 5 alunos e máximo de 50 alunos

Atualização Terapêutica Baseada em Terapia Alvo e Medicina Translacional

Professores responsáveis
Dr. Aldo Lourenço Abbade Dettino, Dr. Celso Abdon Lopes de Mello, Dra. Ludmilla Thomé Domingos Chinen e Dr. Vladmir Cláudio Cordeiro de Lima

Período 
21/05/2018 a 01/06/2018, segunda a sexta, das 9h às 18h30

Local 
Centro ADM - Sala 01 (116)

Créditos 
5 créditos 

OBJETIVOS

Estudar os principais mecanismos do câncer, com foco no entendimento das formas mais recentes de terapias alvo-específica utilizadas na Oncologia.

JUSTIFICATIVA

Com o avanço no entendimento da biologia do câncer, novas formas de tratamento foram desenvolvidas, incluindo a terapia alvo-específica. Hoje, inúmeras drogas alvo-específicas já foram incorporadas ao arsenal terapêutico para as mais diversas neoplasias. No entanto, diferentemente da quimioterapia convencional, o mecanismo de ação destes novos agentes é muito distinto, bem como os mecanismos de resistência. Portanto, entender profundamente os principais mecanismos de ação destes agentes é fundamental para o profissional que atua no tratamento do paciente com câncer nos dias atuais. Desta forma, esta disciplina tem como objetivo aprimorar os conhecimentos básicos dos mecanismos envolvidos no surgimento dos principais tumores focando na inibição terapêutica de alvos moleculares.

CONTEÚDO

  • Aulas teóricas
  • Discussão de artigos na forma de seminários

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

  • Frequência e participação em seminários.

REFERÊNCIAS

  • Buccisano F, Maurillo L, Del Principe MI, Del Poeta G, Sconocchia G, Lo-Coco F, Arcese W, Amadori S, Venditti A. Prognostic and therapeutic implications of minimal residual disease detection in acute myeloid leukemia. Blood 2012; 119:332-41.
  • De Vita VT, Lawrence TS, Rosenberg SA. DeVita, Hellman, and Rosenberg's cancer: principles and practice of oncology. 9th ed. Philadelphia: J. B. Lippincott; 2011.
  • Dudeck O, Zeile M, Reichardt P, Pink D. Comparison of RECIST and Choi criteria for computed tomographic response evaluation in patients with advanced gastrointestinal stromal tumor treated with sunitinib. Ann Oncol 2011; 22:1828-33.
  • Gray R, Manola J, Saxman S, Wright J. Phase II clinical trial design: methods in translational research from the Genitourinary Committee at the Eastern Cooperative Oncology Group., Clin Cancer Res 2006; 12:1966-9.
  • Junttila TT, Li G, Parsons K, Phillips GL, Sliwkowski MX.Trastuzumab-DM1 (T-DM1) retains all the mechanisms of action of trastuzumab and efficiently inhibits growth of lapatinib insensitive breast cancer. Breast Cancer Res Treat 2011; 128:347-56.
  • Pàez-Ribes M, Allen E, Hudock J, Takeda T, Okuyama H, Viñals F, Inoue M, Bergers G, Hanahan D, Casanovas O. Antiangiogenic therapy elicits malignant progression of tumors to increased local invasion and distant metastasis. Cancer Cell 2009; 15:220-31.
  • Pusztai L, Mazouni C, Anderson K, Wu Y, Symmans WF. Molecular classification of breast cancer: limitations and potential. Oncologist 2006; 11:868-77.
  • Sleijfer S, Wiemer E, Seynaeve C, Verweij J. Improved insight into resistance mechanisms to imatinib in gastrointestinal stromal tumors: a basis for novel approaches and individualization of treatment. Oncologist 2007; 12:719-26.
  • Swaby RF, Cristofanilli M. Circulating tumor cells in breast cancer: a tool whose time has come of age. BMC Med 2011; 9:43.
  • van Meerten T, van Rijn RS,  Hol S, Hagenbeek A, Ebeling SB. Complement-induced cell death by rituximab depends on CD20 expression level and acts complementary to antibody-dependent cellular cytotoxicity. Clin Cancer Res 2006; 12:4027-35.
  • Wolchok JD, Saenger Y. The mechanism of anti-CTLA-4 activity and the negative regulation of T-cell activation. Oncologist 2008; 13 Suppl 4:2-9.
  • Yu HA, Arcila ME, Rekhtman N, Sima CS. Analysis of tumor specimens at the time of acquired resistance to EGFR-TKI therapy in 155 patients with EGFR-mutant lung cancers. Clin Cancer Res 2013; 19:2240-7.

LIMITE DE ALUNOS

Mínimo de 5 alunos e máximo de 50 alunos

Bases da Biologia Molecular e Celular

Professores responsáveis
Vilma Regina Martins, Gláucia Hajj e Tiago Góss

Período 
22/05/2018 a 17/07/2018, terça, das 9h às 12h

Local
Auditório Humberto Torloni

Créditos 
5 créditos

OBJETIVOS

Transmitir aos alunos conhecimentos básicos sobre a estrutura celular, nuclear e das macromoléculas de forma que os alunos possam aplicar abordagens experimentais bem como despertar a análise crítica dos resultados apresentados na literatura.

JUSTIFICATIVA

O estudo da biologia molecular representa hoje uma das áreas de maior potencial para a realização de pesquisas em Medicina e um número cada vez maior de profissionais de saúde tem se interessado em aprofundar seus conhecimentos e produção científica, mediante a realização de projetos de pesquisa nesta área.

CONTEÚDO

  • Mecanismos de Expressão Gênica
  • Oncogenes e supressores de tumor. Mecanismos de reparo a danos no DNA.
  • Proliferação celular
  • Resistência a apoptose
  • Vias de sinalização e seus inibidores no câncer
  • Mecanismos de angiogênese
  • Mecanismos de metástase e transição epitélio-mesênquima
  • Evasão do Sistema imune e inflamação tumoral
  • Vírus e Câncer

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

  • Ao final de cada aula os alunos responderão por escrito a uma questão sobre o tema. No total foram feitas 7 provinhas e foi obtida uma média da nota das provinhas.
  • Discussão de artigo científico - Escolha de três artigos científicos para discussão entre a classe e os professores. Serão disponibilizadas listas de perguntas que devem ser respondidas pelos alunos com base nos artigos escolhidos e entregues por escrito no dia do grupo de discussão. Após a entrega dos trabalhos por escrito, os artigos serão discutidos por toda a classe juntamente com os professores. Após a discussão conjunta os alunos podem entregar nova versão corrigida das avaliações para melhorar a nota.
  • A nota final será a média das discussões de artigos e das provinhas notas dos três trabalhos por escrito. Nota final = (Discussão 1 + discussão 2 + discussão 3 + media dos exercícios) /4.

REFERÊNCIAS

  • Abrantes EF, Pires EG, Carvalho AF, Costa FF, Savino W, Reis LFL. Identification, structural characterization, and tissue distribution of TSG-5: a new TNF-stimulated gene. Genes Immun 2003; 4:298-311.
  • Blättler T. Implications of prion diseases for neurosurgery. Neurosurg Rev 2002; 25:195-203.
  • Ferreira LRP, Abrantes EF, Rodrigues CV, Caetano B, Cerqueira GC, Salim AC, Reis LFL, Gazzinelli RT. Identification and characterization of a novel mouse gene encoding a Ras-associated guanine nucleotide exchange factor: expression in macrophages and myocarditis elicited by Trypanosoma cruzi parasites. J Leukocyte Biol 2002; 72:1215-365.
  • Ingrosso L, Pisani F, Pocchiari M. Transmission of the 263K scrapie strain by the dental route. J Gen Virol 1999; 80:3043-7.
  • Kaplan D, Shankaran V, Dighe AS, Stockert E, Aguet M, Old LJ, Schreiber RD. Demonstration of an interferon y-dependent tumor surveillance system in immunocompetent mice. Proc Natl Acad Sci USA 1998; 95:7556-756.
  • Maula S-M, Luukkaa M, Grénman R, Jackson D, Jalkanen S, Ristamäki R. Intratumoral lymphatics are essential for the metastatic spread and prognosis in squamous cell carcinomas of the head and neck region. Cancer Res 2003; 63:1920-6.
  • Mehta JS, Franks WA.  The sclera, the prion, and the ophthalmologist. Br.J. Ophhaltmol 2002; 86:587-92.
  • Sonoda Y, Kanamori M, Deen DF, Cheng S-Y, Berger MS, Pieper RO. Ovexpresion of vascular endothelial growth factor isoforms drives oxygenation and growth but not progression to glioblastoma multiforme in a human model of gliomagenesis. Cancer Res 1968; 63:1962-8.
  • Weissmann C, Enari M, Klöhn PC, Rossi D, Flechsig E. Transmission of prions. Proc Natl Acad Sci USA 2002; 99 Suppl 4:16378-83.

LIMITE DE ALUNOS

Mínimo de 5 alunos e máximo de 50 alunos

Basic Research Seminar Series I

Professor responsável
Martin Roffé

Período: 
20/02/2018 a 03/07/2018, terças-feiras, das 12h30 às 13h30

Local: 
Auditório CIPE

Créditos: 
5 créditos

OBJETIVOS

Capacitar os alunos para a apresentação de seminários em inglês, ao mesmo tempo em que se promoverá a discussão científica entre alunos, orientadores e apresentadores dos seminários. Para isso, serão realizados seminários semanais onde alunos do Centro de Pesquisa (CIPE), professores ou convidados apresentarão seus projetos de pesquisa. Será estimulada a discussão científica entre o convidado da semana e a plateia. As apresentações e discussões serão realizadas em inglês.

JUSTIFICATIVA

Necessidade do aluno reconhecer as primeiras características da progressão tumoral a fim de caracterizar as neoplasias como benignas e malignas, visando a conduta terapêutica a ser adotada.

CONTEÚDO

Apresentações a respeito do temo de pesquisa de pesquisadores da Instituição, convidados de outras Instituições e alunos do Programa

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

Cada aluno deverá elaborar e realizar ao menos duas perguntas para palestrantes de sua escolha durante o semestre. As perguntas deverão ser feitas em inglês.

REFERÊNCIAS

Referências específicas de cada apresentação.

LIMITE DE ALUNOS

Mínimo de 5 alunos e máximo de 50 alunos

Basic Research Seminar Series II

Professor responsável
Martin Roffé

Período 
31/08/2018 a 04/12/2018, terças, das 12h30 às 13h30

Local 
Auditório CIPE

Créditos 
5 créditos

OBJETIVOS

Capacitar os alunos para a apresentação de seminários em inglês, ao mesmo tempo em que se promoverá a discussão científica entre alunos, orientadores e apresentadores dos seminários. Para isso, serão realizados seminários semanais onde alunos do Centro de Pesquisa (CIPE), professores ou convidados apresentarão seus projetos de pesquisa. Será estimulada a discussão científica entre o convidado da semana e a plateia. As apresentações e discussões serão realizadas em inglês.

JUSTIFICATIVA

Necessidade do aluno reconhecer as primeiras características da progressão tumoral a fim de caracterizar as neoplasias como benignas e malignas, visando a conduta terapêutica a ser adotada.

CONTEÚDO

Apresentações a respeito do temo de pesquisa de pesquisadores da Instituição, convidados de outras Instituições e alunos do Programa.

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

Cada aluno deverá elaborar e realizar ao menos duas perguntas para palestrantes de sua escolha durante o semestre. As perguntas deverão ser feitas em inglês.

REFERÊNCIAS

Referências específicas de cada apresentação.

LIMITE DE ALUNOS

Mínimo de 5 alunos e máximo de 50 alunos

Bioética

Professores responsáveis
Gláucia Noeli Maroso Hajj, Samuel Aguiar Junior e Tiago Goss dos Santos

Período 
17/09/2018 a 19/09/2018, segundas, terças e quartas, das 14h às 18h

Local
Auditório Dr. Humberto Torloni

Créditos 
5 créditos

OBJETIVOS

O curso procurará inserir e contextualizar o aluno no universo de discussão da Bioética, com ênfase na prática científica e na utilização de seres humanos e animais em atividades de pesquisa. Descrever o funcionamento e as atribuições dos Comitês de Ética ou Comitês de Bioética e dos Comitês de Ética em Pesquisa. Discutir aspectos éticos na manipulação de dados e fraudes na pesquisa científica.

Ao final da disciplina os alunos deverão estar aptos a refletir sobre conflitos e dilemas morais envolvidos na área das ciências biomédicas

JUSTIFICATIVA

Ao discutir questões e tentar encontrar a melhor forma de resolver casos e dilemas que surgem com o avanço da biotecnologia, da genética e dos próprios valores e direitos humanos, levando em consideração toda a diversidade moral que há e todas as áreas do conhecimento é mister que estimulemos nossos alunos a refletir em nas decisões tomadas no seu dia a dia, e os reflexos destas ações para a nossa sociedade e para a ciência.

CONTEÚDO

  • Introdução à Bioética e princípios
  • Ética Animal
  • Discussão de questões éticas na pesquisa com animais
  • Ética na pesquisa médica
  • Ética na investigação científica.
  • Dilemas da divulgação científica. Discussão de casos científicos e retratações.

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

A estratégia de ensino do curso será feito com base em exposições teóricas em sala de aula e discussão exemplificada sobre dilemas e conflitos na Medicina atual. O método de avaliação do curso será por participação em sala de aula e uma avaliação por escrito em pré-fixado pelo responsável da disciplina. A avaliação por escrito consiste de elaborar um texto crítico onde sejam abordados os problemas e dilemas éticos dos casos sugeridos abaixo. Cada aluno deverá escolher um tema e desenvolver de maneira independente sua argumentação entre duas a quatro páginas. É aconselhável expandir a pesquisa do tema utilizando literatura adicional. Em sendo observado plágio entre colegas ou da literatura o aluno será automaticamente reprovado.

REFERÊNCIAS

  • [FAPESP] Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. Codigo de boas praticas cientificas 2014. Disponível em: http://www.fapesp.br/ boaspraticas/FAPESP-Codigo_de_Boas_Praticas_Cientificas_2014.pdf
  • Bohannon J. Who's afraid of peer review? Science 2013; 342:60-5.
  • Ferguson C, Marcus A, Oransky I. Publishing: the peer-review scam. Nature 2014; 515:480-2.
  • Furtado-Filho OV, Polcheira C, Machado DP, Mourão G, Hermes-Lima M. Selected oxidative stress markers in a South American crocodilian species. Comp Biochem Physiol C Toxicol Pharmacol 2007; 146:241-54.
  • Leek JT, Scharpf RB, Bravo HC, Simcha D, Langmead B, Johnson WE, Geman D, Baggerly K, Irizarry RA. Tackling the widespread and critical impact of batch effects in high-throughput data. Nat Rev Genet 2010; 11:733-9.
  • Silberzahn R, Uhlmann EL. Crowdsourced research: Many hands make tight work. Nature 2015; 526:189-91.

LIMITE DE ALUNOS

Mínimo de 5 alunos e máximo de 50 alunos

Bioinformática Aplicada ao Estudo do A.C.Camargo Cancer Center

Professores responsáveis
Israel Tojal e Fábio A. Marchi

Período 
26/11/2018 a 30/11/2018, segunda a sexta, das 13h às 17h

Local 
Centro ADM - Sala 01 (116)

Créditos 
5 créditos

Pré-requisito:
Ter conhecimento Básico de Biologia Celular e Molecular

OBJETIVOS

O objetivo deste curso é formar uma nova geração de recursos humanos em áreas da saúde capazes de interpretar as informações genéticas aplicada ao estudo do câncer, que contribuirão, a posterior, para a prática da Medicina Genômica.

JUSTIFICATIVA

O desenvolvimento das técnicas de biologia molecular, o sequenciamento de alto desempenho de DNA e RNA, as novas perspectivas que surgem para melhor compreender as doenças humanas de base genética e  em paralelo, os profissionais das áreas da saúde que necessitam de habilidades específicas para a análise e interpretação do grande volume de dados resultante desses protocolos e o desenvolvimento da Medicina Genômica cada vez mais presente na prática médica justificam  uma reflexão sobre o tema proposto.

CONTEÚDO

  • Introdução ao ambiente Linux
  • Introdução ao ambiente R
  • Banco de dados biológicos
  • Plataformas de sequenciamento
  • Alinhamento de sequências
  • Análise de expressão gênica
  • Identificação de variantes genéticas
  • Epigenética (metilação e miRNA)
  • Enriquecimento de vias

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

Atividades de leitura de artigos e/ou capítulos de livro, exercícios e seminários.

REFERÊNCIAS

  • Alberts B, Johnson A, Lewis J, Raff M, Roberts K, Walter P. Biologia molecular da célula. 5ª ed. São Paulo: Artmed; 2010.
  • Anders S, Huber W. Differential expression analysis for sequence count data. Genome Biol 2010; 11:R106.
  • Bailey T, Krajewski P, Ladunga I, Lefebvre C, Li Q, Liu T, Madrigal P, Taslim C, Zhang J. Practical guidelines for the comprehensive analysis of ChIP-seq data. PLoS Comput Biol 2013; 9:e1003326.
  • Dong H, Wang S. Exploring the cancer genome in the era of next-generation sequencing. Front Med 2012; 6:48-55.
  • Galperin MY Rigden DJ Fernández-Suárez XM. The 2015 Nucleic Acids Research Database Issue and molecular biology database collection. Nucleic Acids Res 2015; 43:D1-5.
  • Hanahan D, Weinberg RA. Hallmarks of cancer: the next generation. Cell 2011; 144:646-74.
  • Irizarry RA, Wang C, Zhou Y, Speed TP. Gene set enrichment analysis made simple. Stat Methods Med Res 2009; 18:565-75.
  • Li H Homer N. A survey of sequence alignment algorithms for next-generation sequencing. Brief Bioinformatics 2010; 11:473-83.
  • Roberts ND, Kortschak RD, Parker WT, Schreiber AW, Branford S, Scott HS, Glonek G, Adelson DL. A comparative analysis of algorithms for somatic SNV detection in cancer. Bioinformatics 2013; 29 18:2223-30.
  • Rosenbloom KR, Armstrong J, Barber GP, Casper J, Clawson H, Diekhans M, Dreszer TR, Fujita PA, Guruvadoo L, Haeussler M, Harte RA, Heitner S, Hickey G, Hinrichs AS, Hubley R, Karolchik D, Learned K, Lee BT, Li CH, Miga KH, Nguyen N, Paten B, Raney BJ, Smit AF, Speir ML, Zweig AS, Haussler D, Kuhn RM, Kent WJ. The UCSC Genome Browser database: 2015 update. Nucleic Acids Res 2015; 43:D670-81.
  • Stratton MR, Campbell PJ Futreal PA. The cancer genome. Nature 458; 7239:719-24.
  • van Dijk EL, Auger H, Jaszczyszyn Y, Thermes C. Ten years of next-generation sequencing technology. Trends Genet 2014; 30 9:418-26.

LIMITE DE ALUNOS

Mínimo de 5 alunos e máximo de 50 alunos

Biologia de Sistemas e Câncer

Professor responsável
Fábio Albuquerque Marchi

Período 
07/08/2018 a 07/09/2018, terças e sextas,  das 9h às 12h

Local 
Centro ADM - Sala 01 (116)

Créditos 
5 créditos

OBJETIVOS

O objetivo desta disciplina é introduzir aos alunos os conceitos associados à biologias de sistemas, bem como métodos de análises e interpretação de dados que possam contribuir para o delineamento e desenvolvimento dos projetos desenvolvidos no A.C.Camargo Cancer Center.

JUSTIFICATIVA

Devido ao perfil multidisciplinar da instituição com o desenvolvimento de projetos em diferentes áreas de pesquisa essa disciplina pode contribuir com uma visão ampla sobre a interpretação e utilização desses dados nos diferentes níveis dos sistemas biológicos que atuam em doenças complexas.

CONTEÚDO

  • Introdução a biologia de sistemas e apresentação do conteúdo da disciplina.
  • Alterações genômicas, transcriptômicas e epigenéticas no câncer
  • Métodos de análises em biologia sistêmica
  • Estudo de redes complexas no câncer
  • Integração multidimensional de dados
  • Detecção de biomarcadores
  • Abordagens para detecção de genes associados a doenças complexas
  • Biologia de sistemas aplicada em mecanismos de resistência a terapias.
  • Seminários e avaliação

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

Atividades de leitura de artigos e/ou capítulos de livro, exercícios e seminários.

Câncer Colorretal

Professores responsáveis
Fábio Ferreira, Samuel Aguiar Jr, Maria Dirlei Begnami

Período 
21/05/2018 a 01/06/2018, segunda a sexta, 13h às 18h 

Local
Auditório Humberto Torloni

Créditos 
5 créditos

OBJETIVOS

Dar ao pós-graduando uma visão vertical e crítica sobre câncer colorretal nos seus diferentes aspectos: epidemiologia, prevenção, carcinogênese, estadiamento, tratamento e seguimento.

JUSTIFICATIVA

O câncer colorretal encontra-se entre os mais incidentes no mundo industrializado, com tendência a sofrer aumento progressivo nos próximos anos, inclusive no Brasil. Estudos epidemiológicos contemplando a distribuição geográfica e os fatores de risco permitem a idealização de estratégias de prevenção, cujo objetivo final é alcançar a diminuição de incidência e mortalidade por câncer, além de diminuir os custos do tratamento. O conhecimento dos passos da carcinogênese e de aspectos clínicos e moleculares das formas esporádicas e hereditárias constitui a base para a formulação de estratégias de prevenção, rastreamento, orientação familiar, tratamento e seguimento. Dentre os fatores prognósticos conhecidos, a qualidade do tratamento cirúrgico interfere nos resultados. Em países onde processos de reeducação quanto aos aspectos técnicos da cirurgia de câncer colorretal foram instituídos, particularmente na cirurgia do câncer de reto, as taxas de controle local e sobrevida aumentaram significativamente. Além disso, frente aos avanços conseguidos com a abordagem multidisciplinar através de esquemas de radioterapia e quimioterapia, há necessidade constante de reavaliação dos conceitos com o objetivo de alcançar maiores taxas de cura, maiores índices de preservação esfincteriana e melhor qualidade de vida. Traçar estratégias de acompanhamento de pacientes tratados e de indivíduos e familiares sob risco também é papel do especialista dedicado ao manejo de pacientes portadores de câncer colorretal.

CONTEÚDO

Todo material didático utilizado durante o curso encontra-se disponível na secretaria da pós-graduação (programa e artigos em PDF). Algumas conferências e aulas gravadas serão apresentadas durante o programa conforme calendário.

Além dos professores responsáveis, teremos a presença de um "debatedor". O debatedor deverá coordenar a discussão do tema proposto e poderá utilizar material didático complementar, caso julgue necessário. No entanto, o objetivo principal é a análise crítica do material didático selecionado.

Dirija-se até a secretaria da pós-graduação munido de pen-drive para adquirir o material.

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

Será realizada no decorrer do curso mediante a participação nas discussões e a frequências nas aulas que será computada nos dois períodos de cada tarde.

REFERÊNCIAS

  • Burke CA, Dekker E, Samadder NJ, Stoffel E, Cohen A. Efficacy and safety of eflornithine (CPP-1X)/sulindac combination therapy versus each as monotherapy in patients with familial adenomatous polyposis (FAP): design and rationale of a randomized, double-blind, Phase III trial. BMC Gastroenterol 2016; 16:87.
  • Cappellesso R, Luchini C, Veronese N, Mele ML, Rosa-Rizzotto E, Guido E, De Lazzari F, Pilati P, Farinati F, Realdon S, Solmi M, Fassan M, Rugge M. Tumor budding as a risk factor for nodal metastasis in pt1 colorectal cancers: a meta-analysis. Hum Pathol 2017; 65:62-70.
  • Colombo PE, Bertrand MM, Alline M, Boulay E, Mourregot A, Carrère S, Quénet F, Jarlier M, Rouanet P. Robotic versus laparoscopic total mesorectal excision (TME) for sphincter-saving surgery: is there any difference in the transanal tme recta approach?: a single-center series of 120 consecutive patients. Ann Surg Oncol 2016; 23:1594-600.
  • Di Caro G, Carvello M, Pesce S, Erreni M, Marchesi F, Todoric J, Sacchi M, Montorsi M, Allavena P, Spinelli A. Circulating Inflammatory Mediators as Potential Prognostic Markers of Human Colorectal Cancer. PLoS One 2016; 11:e0148186. Erratum in: PLoS One 2016; 11:e0156669.
  • Domingo JL, Nadal M. Carcinogenicity of consumption of red meat and processed meat: a review of scientific news since the IARC decision. Food ChemToxicol 2017; 105:256-61.
  • East JE, Atkin WS, Bateman AC, Clark SK, Dolwani S, Ket SN, Leedham SJ, Phull PS, Rutter MD, Shepherd NA, Tomlinson I, Rees CJ. British Society of Gastroenterology position statement on serrated polyps in the colon and rectum. Gut 2017; 66:1181-96.
  • Hodek M, Sirák I, Ferko A, Örhalmi J, Hovorková E, HadziNikolov D, Paluska P, Kopecký J, Petera J, Vosmik M. Neoadjuvant chemoradiotherapy of rectal carcinoma: baseline hematologic parameters influencing outcomes. Strahlenther Onkol 2016; 192:632-40.
  • Ingrand I, Defossez G, Richer JP, Tougeron D, Palierne N, Letard JC, Beauchant M, Ingrand P. Colonoscopy uptake for high-risk individuals with a family history of colorectal neoplasia: a multicenter, randomized trial of tailored counseling versus standard information. Medicine (Baltimore) 2016; 95:e4303.
  • Kamiya T, Uehara K, Nakayama G, Ishigure K, Kobayashi S, Hiramatsu K, Nakayama H, Yamashita K, Sakamoto E, Tojima Y, Kawai S, Kodera Y, Nagino M; Nagoya Surgical Oncology Group and the Chubu Clinical Oncology Group. Early results of multicenter phase II trial of perioperative oxaliplatin and capecitabine without radiotherapy for high-risk rectal cancer: CORONA I study. Eur J Surg Oncol 2016; 42:829-35.
  • Lu YJ, Wang P, Peng J, Wang X, Zhu YW, Shen N. Meta-analysis reveals the prognostic value of circulating tumour cells detected in the peripheral blood in patients with non-metastatic colorectal cancer. Sci Rep 2017; 7:905.
  • Mosher CE, Winger JG, Given BA, Shahda S, Helft PR. A systematic review of psychosocial interventions for colorectal cancer patients. Support Care Cancer 2017; 25:2349-62.
  • Moya P, Soriano-Irigaray L, Ramirez JM, Garcea A, Blasco O, Blanco FJ, Brugiotti C, Miranda E, Arroyo A. Perioperative Standard Oral Nutrition Supplements Versus Immunonutrition in Patients Undergoing Colorectal Resection in an Enhanced Recovery (ERAS) Protocol: A Multicenter Randomized Clinical Trial (SONVI Study). Medicine (Baltimore) 2016; 95:e3704.
  • Muller MF, Ibrahim AE, Arends MJ. Molecular pathological classification of colorectal cancer. Virchows Arch 2016; 469:125-34.
  • Murcia O, Juárez M, Hernández-Illán E, Egoavil C, Giner-Calabuig M,Rodríguez-Soler M, Jover R. Serrated colorectal cancer: Molecular classification, prognosis, and response to chemotherapy. World J Gastroenterol 2016; 22:3516-30.
  • Saito S, Fujita S, Mizusawa J, Kanemitsu Y, Saito N, Kinugasa Y, Akazai Y, Ota M, Ohue M, Komori K, Shiozawa M, Yamaguchi T, Akasu T, Moriya Y; Colorectal Cancer Study Group of Japan Clinical Oncology Group. Male sexual dysfunction after rectal cancer surgery: Results of a randomized trial comparing mesorectal excision with and without lateral lymph node dissection for patients with lower rectal cancer: Japan Clinical Oncology Group Study JCOG0212. Eur J Surg Oncol 2016; 42:1851-8.
  • Shirakami Y, Ohnishi M, Sakai H, Tanaka T, Shimizu M. Prevention of Colorectal Cancer by Targeting Obesity-Related Disorders and Inflammation. Int J Mol Sci 2017; 18(5):pii: E908. doi: 10.3390/ijms18050908.
  • Sprenger T, Rothe H, Conradi LC, Beissbarth T, Kauffels A, Kitz J, Homayounfar K, Wolff H, Ströbel P, Ghadimi M, Wittekind C, Sauer R, Rödel C, Liersch T. Stage-dependent frequency of lymph node metastases in patients with rectal carcinoma after preoperative chemoradiation: results from the cao/aro/aio-94 trial and from a comparative prospective evaluation with extensive pathological workup. Dis Colon Rectum 2016; 59:377-85.
  • West MA, Dimitrov BD, Moyses HE, Kemp GJ, Loughney L, White D, Grocott MP, Jack S, Brown G. Timing of surgery following neoadjuvant chemo radiotherapy in locally advanced rectal cancer: a comparison of magnetic resonance imaging at two time points and histopathological responses. Eur J Surg Oncol 2016; 42:1350-8.
  • Yuan H, Dong Q, Zheng B, Hu X, Xu JB, Tu S. Lymphovascular invasion is a high risk factor for stage I/II colorectal cancer : a systematic review and meta-analysis. Oncotarget 2017; 8:46565-79.
  • Zhu B, Wu X, Wu B, Pei D, Zhang L, Wei L. The relationship between diabetes and colorectal cancer prognosis: A meta-analysis based on the cohort studies. PLoS One 2017; 12:e0176068.

LIMITE DE ALUNOS

Mínimo de 5 alunos e máximo de 50 alunos

Cirurgia Oncológica

Professores responsáveis
Ademar Lopes e Hirofumi Iyeyasu

Período 
05/03/2018 a 16/03/2018, segunda a sexta, das 8h às 12h

Local 
Auditório Humberto Torloni

Créditos 
5 créditos

OBJETIVOS

Transmitir aos alunos conhecimentos básicos sobre cirurgia oncológica, enfatizando as diferenças entre ela e a cirurgia geral e sua importância no planejamento terapêutico dos pacientes cancerosos.

JUSTIFICATIVA

As neoplasias malignas do ser humano na sua imensa maioria são constituídas por tumores sólidos e na sua maioria o tratamento inicial é a cirurgia. A formação do cirurgião oncológico inclui além do conhecimento e habilidades de um cirurgião, necessita conhecer e história natural dos tumores e a interação com as áreas de radioterapia e tratamento sistêmico.

O A.C.Camargo Cancer Center possui uma longa tradição no tratamento cirúrgico de neoplasias. Já passaram pela Instituição grandes cirurgiões que formaram ao longo dos anos muitos dos cirurgiões atuantes no país nesta especialidade. Assim, a instituição possui uma grande experiência na cirurgia dos tumores que não são vistas ou ensinadas em outros centros. Experiência esta, que a instituição pode difundir e colaborar no desenvolvimento do tratamento cirúrgico dos tumores.

CONTEÚDO

  • Aulas teóricas
  • Discussão de artigos e casos.

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

  • Presença em sala
  • Participação nas ciscussões em aula
  • Preparo de artigos

REFERÊNCIAS

  • Gentil FG, Lopes A. Princípios de cirurgia oncológica. In: Schwartsmann G, editor. Oncologia clínica: princípios, prático. Porto Alegre: Artes Médicas: 1991. p.84-96.
  • Hasted WS. The results of operations for cure of cancer of the breast perponemed at John Hopkins Hospital from june, 1889 to January, 1894. Ann. Surg 1894; 120:497-55.
  • Hill JG, Mohit-Tabatabai MA, Rush BF Jr. A decade of training in surgical oncology. J Surg Oncol 1995; 58:1-4.
  • Jewell RW, Deslauriers MP. Teaching surgical oncology to medical students. J Surg Oncol 1983; 24:218-20.
  • Laurence W Jr. Surgical oncology in University Departments of Surgery in the United Stats. Arch Surg 1986; 121:1088-93.
  • Laurence W Jr. Are we ready to certify surgical oncologists? J Surg Oncol 1999; 71:74-5.
  • Lopes A, Rossi BM, Nakagawa W. Oncologia cirúrgica. Acta Oncol Bras 1993; 13:42-47.
  • Mackenna RJ Jr, Mackenna RJ. Overview of surgical oncology. In: Mackenna RJ, Murphy AP, editors. Fundamentals of surgical oncology. New York: Macmillan; 1983. p.3-13
  • Sariego J, Byrd M, Matsumoto T, Kerstein M. The chaging role of the surgeons in the management of cancer in the university setting and its impact on resident training. J Surg Oncol 1992; 51:143-5.
  • Slow DA, Donnelly MB, Schwartz RW, Munch LC, Wells MD, Johnson SB, Strodel WE. Assessing medical students in surgery residents clinical compentence in problem solving in surgical oncology. Ann Surg Oncol 1994; 1:204-12.

LIMITE DE ALUNOS

Mínimo de 5 a 20 alunos e máximo de 50 alunos

Epidemiologia do Câncer

Professor responsável
Maria Paula Curado

Período 
06/06/2018 a 28/06/2018, quarta e quinta, das 14h às 17h

Local 
Pós-Graduação - Sala 1

Créditos 
5 créditos

OBJETIVOS

O objetivo da disciplina é introduzir os conceitos básicos sobre epidemiologia do câncer, com o objetivo de capacitar o aluno a identificar diferentes tipos de estudos, avaliar estudos epidemiológicos quanto ao valor técnico-científico. Identificar fontes de dados públicas e potenciais para a elaboração de projetos de pesquisa e ao final do curso estar apto a planejar projetos de pesquisa (tipo caso controles, coorte).

JUSTIFICATIVA

Examinar as causas, incidência e tendências do câncer a nível mundial, com uma perspectiva sobre as diferenças entre as populações. Fornecer uma base epidemiológica para entender estatísticas de câncer e se envolver em atividades de pesquisa epidemiológica e controle do câncer. Abordar os conceitos fundamentais, como desenhos de estudo para a epidemiologia do câncer. Uso e significado das estatísticas de câncer mais comuns.

CONTEÚDO

AVALIAÇÃO

  • Participação e realização das atividades em aula;
  • Apresentação de trabalhos em grupo;
  • Planejamento de um estudo epidemiológico (transversal, descritivo, caso controle, coorte prospectivo).
  • Análise crítica de um artigo científico selecionado.
  • 0 - 2,0 - participação;
  • 0 - 5,0 - apresentação em grupo;
  • 0 - 3,0 - revisão do artigo científico.

ATIVIDADE EXTRACLASSE

  • Revisar e analisar um artigo científico sobre câncer (selecionado e entregue no primeiro dia de aula).
  • Critérios de avaliação do artigo
  • Originalidade, relevância, objetivos, métodos (estratégia), resultados, discussão e conclusão.
  • Ao final o aluno deverá considerar se faria ou não um artigo semelhante, caso tivesse oportunidade, e explicar sua decisão.

REFERÊNCIAS

  • Gordis L. Epidemiology. 2nd ed. Philadelphia:  W.B Saunders; 2000.
  • Jacques E, Benhamou E, Raymond L. Statistical methods in cancer research Vol. 4. descriptive epidemiology. Lyon: WHO; 1994. (IARC Scientific publications, 128).
  • Rothman KJ, Greenland S, Lash, Timothy L. Modern epidemiology. 3rd ed. Philadelphia: Lippincott Willians & Wilkins; 2008.
  • Schottenfeld D, Fraumeni J JF. Cancer epidemiology and prevention. 3rd ed. New York: Oxford University Press; 2006.
  • Szklo M, Javier Nieto F. Epidemiology: beyond the basic. 2nd ed. Boston: Jones & Bartlett Learning; 2006.
  • Zheng T, Boffeta P, Boyle P. Epidemiology and biostatistics. Lyon: WH; 2011. (International Prevention Research Institute-iPRI Scientific Publication nº 1)

LIMITE DE ALUNOS

Mínimo de 5 alunos e máximo de 50 alunos
Estatística

Professor responsável
Vinicius Fernando Calsavara

Período
04/04/2018 a 24/05/2018, quartas e quintas, das 14h às 17h

Local 
Biblioteca

Créditos 
5 créditos

OBJETIVOS

Proporcionar ao aluno conhecimento das ferramentas básicas de estatística; capacitar o aluno para o processo de manipulação de dados, assim como a construção e interpretação de gráficos e tabelas; qualificar o aluno na análise de dados e na tomada de decisões através dos conceitos aplicados em sala de aula.

JUSTIFICATIVA

A análise de dados é muito importante para a tomada de decisão. Muitas decisões podem ser efetuadas com base em indicadores estatísticos.

CONTEÚDO

  • Introdução à Estatística
  • Análise Exploratória de Dados (Parte I e Parte II)
  • Aula prática - Excel
  • Aula prática - SPSS
  • Inferência Estatística (Parte I) Estimação
  • Inferência Estatística (Parte II) Teste de Hipótese I
  • Aula Prática - SPSS
  • Inferência Estatística (Parte II) Teste de Hipótese II
  • Análise Bidimensional I e II Aula Prática - SPSS
  • Modelos de Regressão

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

Durante o curso o aluno desenvolverá cinco relatórios estatísticos, contendo as análises estatísticas assim como a interpretação dos resultados obtidos.
O conceito final será obtido por meio da média dos cinco relatórios.

REFERÊNCIAS

  • Arango HG. Bioestatística teórica e computacional. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2001.
  • Beiguelman B. Curso prático de bioestatística. São Paulo: FUNPEC-Editora; 2002.
  • Bussab WO, Morettin P. Estatística básica. São Paulo: Saraiva; 2010.
  • Callegari-Jacques, Sidia M. Bioestatística: princípios e aplicações. São Paulo: Artmed; 2007.
  • Doria Filho U. Introdução à bioestatística para simples mortais. São Paulo: Negócio Editora; 1999.
  • Field A. Descobrindo a estatística usando o SPSS. São Paulo: Artmed; 2009.
  • Magalhães MN, Lima ACP. Noções de probabilidade e estatística. São Paulo: EDUSP; 2002.
  • Shimakura SE, Carvalho MS, Andreozzi VL, Codeço CT, Barbosa MTS. Análise de sobrevida: teoria e aplicações em saúde. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2005.

LIMITE DE ALUNOS

Mínimo de 5 alunos e máximo de 50 alunos

Imagem em Oncologia

Professores responsáveis
Rubens Chojniak, Marcela Pecora Cohen, Eduardo Nóbrega Pereira Lima, Almir Galvão Bitencourt e Marcos Duarte Guimarães

Período
23/04/2018 a 27/04/2018, de segunda a sexta, das 9h às 17h

Local
Auditório Humberto Torloni

Créditos 
5 créditos

OBJETIVOS

Apresentar as ferramentas de diagnóstico por imagens atualmente disponíveis, seus princípios, suas qualidades e limitações. 

Estudo da aplicação dos métodos de imagem diagnóstica e intervencionista para compreensão do câncer e de seu comportamento.

Avaliação de aspectos técnicos e clínicos da utilização desses métodos no rastreamento, diagnóstico, estadiamento, planejamento terapêutico, terapia, monitoramento de resposta terapêutica e seguimento de pacientes.

JUSTIFICATIVA

A sofisticação e sensibilidade crescente das imagens passaram a guiar cirurgiões e oncologistas, ajudando a aperfeiçoar as margens cirúrgicas, mostrando a extensão dos tumores e até aonde ele deve ser removido.

CONTEÚDO

  • Princípios físicos e Tecnológicos
  • Caracterização tecidual
  • Rastreamento por Imagem: Princípios
  • Pesquisa em Imagem em Oncologia
  • Intervenção guiada por imagem
  • Medicina Nuclear I (Diagnóstico)
  • Radiação ionizante
  • Meios de Contraste
  • Imagem no estadiamento e avaliação de resposta dos tumores
  • Medicina Nuclear 2 (Tratamento)

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

Os alunos serão submetidos a uma avalição escrita, referente aos temas abordados em sala.

REFERÊNCIAS

  • Aktolun C, Tauxe WN. Nuclear oncology. 2nd ed. New York: Springer; 1999.
  • Beinfeld MT, Wittenberg E, Gazelle GS. Cost-effectiveness of whole-body CT screening. Radiology 2005; 234:415-22.
  • Ben-Haim S, Ell P. 18F-FDG PET and PET/CT in the evaluation of cancer treatment response. J Nucl Med 2009; 50:88-99.
  • Binderup T, Knigge U, Loft A, Mortensen J, Pfeifer A, Federspiel B, Hansen CP, Højgaard L, Kjaer A. Functional imaging of neuroendocrine tumors: a head-to-head comparison of somatostatin receptor scintigraphy, 123I-MIBG Scintigraphy, and 18F-FDG PET. J Nucl Med 2010; 51:704-12.
  • Bitencourt AGV, Lima ENP, Chojniak R, Haddad FJ, Dettino ALA, Cavicchioli M, Torres ICG. Evaluation of therapeutic response with 18-FDG PET-CT for non-small cell lung cancer - case report and literature review. Applied Cancer Res 2010; 30:228-31.
  • Bitencourt AGV, Lima EN, Pinto PN, Martins EB, Chojniak R. New applications of radioguided surgery in oncology. Clinics (Sao Paulo). 2009; 64:397-402.
  • Bloch BN, Furman-Haran E, Helbich TH, Lenkinski RE, Degani H, Kratzik C, Susani M, Haitel A, Jaromi S, Ngo L, Rofsky NM. Prostate cancer: accurate determination of extracapsular extension with high-spatial-resolution dynamic contrast-enhanced and t2-weighted mr imaging-initial results. Radiology 2007; 245:176-85.
  • Buck AK, Herrmann K, Stargardt T, Dechow T, Krause BJ, Schreyögg J. Economic Evaluation of PET and PET/CT in oncology: evidence and methodologic approaches. J Nucl Med 2010; 51:401-12.
  • Cha S. Update on brain tumor imaging: from anatomy to physiology. AJNR Am J Neuroradiol. 2006; 27:475-87.
  • Chojniak R, Isberner RK, Viana LM, Yu LS, Aita AA, Soares FA. Computed tomography guided needle biopsy: experience from 1,300 procedures. Sao Paulo Med J 2006; 124:10-4.
  • Chojniak R, Yu LS, Younes RN. Response to chemotherapy in patients with lung metastases: how many nodules should be measured? Cancer Imaging 2006; 6:107-12.
  • Cibas E, Alexander EK, Benson CB, de Agustín PP, Doherty GM, Faquin WC, Middleton WD, Miller T, Raab SS, White ML, Mandel SJ. Indications for thyroid FNA and pre-FNA requirements: a synopsis of the National Cancer Institute Thyroid Fine-Needle Aspiration State of the Science Conference. Diagn Cytopathol 2008; 36: 390-9.
  • Cohen MP, Machado MA, Herman P. The impact of intra operative ultrasound in metastases liver surgery. Arq Gastroenterol 2006; 42: 206-12.
  • de Jong M, Breeman WA, Valkema R, Bernard BF, Krenning EP. Combination radionuclide therapy using 177Lu- and 90Y-labeled somatostatin analogs. J Nucl Med 2005; 46 Suppl 1:13S-7S.
  • Eberl MM, Fox CH, Edge SB, Carter CA, Mahoney MC. BI-RADS classification for management of abnormal mammograms. J Am Board Fam Med 2006; 19:161-4.
  • Eichler K, Hempel S, Wilby J, Myers L, Bachmann LM, Kleijnen J. Diagnostic value of systematic biopsy methods in the investigation of prostate cancer: a systematic review. J Urol 2006; 175:1605-12.
  • Eisenhauer EA, Therasse P, Bogaerts J, Schwartz LH, Sargent D, Ford R, Dancey J, Arbuck S, Gwyther S, Mooney M, Rubinstein L, Shankar L, Dodd L, Kaplan R, Lacombe D, Verweij J. New response evaluation criteria in solid tumours: Revised RECIST guideline (version 1.1). Eur J Cancer 2009; 45: 228-47.
  • Ell P, Gambhir S. Nuclear medicine in clinical diagnosis and treatment. 3rd ed. St. Louis: Churchill Livingstone; 2004.
  • Farhanghi M, Holmes RA, Volkert WA, Logan KW, Singh A. Samarium-153-EDTMP: pharmacokinetic, toxicity and pain response using an escalating dose schedule in treatment of metastatic bone cancer. J Nucl Med 1992; 33:1451-8.
  • Fischer U, Kopka L, Grabbe E. Breast carcinoma: effect of preoperative contrast-enhanced MR imaging on the therapeutic approach. Radiology 1999; 213:881-8.
  • Fuchs VR, Sox HC Jr. Physicians' views of the relative importance of thirty medical innovations. Health Aff (Millwood) 2001; 20:30-42.
  • Gazelle GS, McMahon PM, Siebert U, Beinfeld MT. Cost-effectiveness analysis in the assessment of diagnostic imaging technologies. Radiology 2005; 235:361-70.
  • Gervais DA, McGovern FJ, Arellano RS, McDougal WS, Mueller PR. Radiofrequency ablation of renal cell carcinoma: part 1, indications, results, and role in patient management over a 6-year period and ablation of 100 tumors. AJR 2005; 185:64-71.
  • Gould MK, Maclean CC, Kuschner WG, Rydzak CE, Owens DK. Accuracy of positron emission tomography for diagnosis of pulmonary nodules and mass lesions. a meta-analysis. JAMA 2001; 285:914-24.
  • Guimarães AC, Chapchap P, de Camargo B, Chojniak R. Computed tomography-guided needle biopsies in pediatric oncology. J Pediatric Surg 2003; 38:1066-8.
  • Guimarães MD, Andrade MQ, Fonte AC, Benevides G, Chojniak R, Gross JL. Predictive complication factors for ct-guided fine needle aspiration biopsy of pulmonary lesions. Clinics (Sao Paulo) 2010; 65:847-50.
  • Hamstra DA, Rehemtulla A, Ross BD. Diffusion magnetic resonance imaging: a biomarker for treatment response in oncology. J Clin Oncol 2007; 25:4104-9.
  • Heiken JP. Distinguishing benign from malignant liver tumours. Cancer Imaging 2007; 7 Spec No A:S1-14.
  • Henschke CI, McCauley DI, Yankelevitz DF, Naidich DP, McGuinness G, Miettinen OS, Libby DM, Pasmantier MW, Koizumi J, Altorki NK, Smith JP. Early Lung Cancer Action Project: overall design and findings from baseline screening. Lancet 1999; 354: 99-105.
  • Hicks RJ. Role of 18F-FDG PET in assessment of response in non-small cell lung cancer. J Nucl Med 2009; 50 Suppl 1:31S-42S.
  • Hollingworth W, Jarvik JG. Technology assessment in radiology: putting the evidence in evidence-based radiology. Radiology 2007; 244:31-8.
  • Husband JE, Reznek RH. Imaging in oncology. 2nd ed. London: Taylor and Francis; 2004.
  • Johnson CD, Chen MH, Toledano AY, Heiken JP, Dachman A, Kuo MD, Menias CO, Siewert B, Cheema JI, Obregon RG, Fidler JL, Zimmerman P, Horton KM, Coakley K, Iyer RB, Hara AK, Halvorsen RA Jr, Casola G, Yee J, Herman BA, Burgart LJ, Limburg PJ. Accuracy of CT colonography for detection of large adenomas and cancers. N Engl J Med 2008; 359:1207-17.
  • Khatcheressian JL, Wolff AC, Smith TJ, Grunfeld E, Muss HB, Vogel VG, Halberg F, Somerfield MR, Davidson NE; American Society of Clinical Oncology. American Society of Clinical Oncology 2006 update of the breast cancer follow-up and management guidelines in the adjuvant setting. J Clin Oncol 2006; 24:5091-7.
  • Kim E, Park CS, Chung WY, Oh KK, Kim DI, Lee JT, Yoo HS. New sonographic criteria for recommending fine-needle aspiration biopsy of nonpalpable solid nodules of the thyroid. AJR Am J Roentgenol 2002; 178:687-91.
  • Klessen K, Rogalla P, Taupitz M. Local staging of rectal cancer: the current role of MRI. Eur Radiol 2007; 17:379-89.
  • Larson SM, Krenning EP. A pragmatic perspective on molecular targeted radionuclide therapy. J Nucl Med 2005; 46 Suppl 1:1S-3S.
  • Lau WY, Lai EC. The current role of radiofrequency ablation in the management of hepatocellular carcinoma. Ann Surg 2009; 249:20-5.
  • Leite Jr CC, Otaduy MG. Física básica da ressonância magnética. Campinas: Livro Pleno, 2002.
  • Leite Jr CC, Amaro Jr E, Otadury MG. Física básica das radiografias convencionais. 6ª ed.  Rio de Janeiro: Editora Guanabara; 2007.
  • Lencioni R, Crocetti L, Cioni D, Della Pina C, Bartolozzi C. Percutaneous radiofrequency ablation of hepatic colorectal metastases: technique, indications, results, and new promises. Invest Radiol 2004; 39:689-97.
  • Levin B, Lieberman DA, McFarland B, Smith RA, Brooks D, Andrews KS, Dash C, Giardiello FM, Glick S, Levin TR, Pickhardt P, Rex DK, Thorson A, Winawer SJ; American Cancer Society Colorectal Cancer Advisory Group; US Multi-Society Task Force; American College of Radiology Colon Cancer Committee.Screening and Surveillance for the Early Detection of Colorectal Cancer and Adenomatous Polyps, 2008: A Joint Guideline from the American Cancer Society, the US Multi-Society Task Force on Colorectal Cancer, and the American College of Radiology. CA Cancer J Clin 2008; 58: 130-60. 
  • Liberman L. Percutaneous imaging-guided core breast biopsy: state of the art at the millennium. AJR Am J Roentgenol 2000; 174:1191-9.
  • Lyman GH, Giuliano AE, Somerfield MR, Benson AB 3rd, Bodurka DC, Burstein HJ, Cochran AJ, Cody HS 3rd, Edge SB, Galper S, Hayman JA, Kim TY, Perkins CL, Podoloff DA, Sivasubramaniam VH, Turner RR, Wahl R, Weaver DL, Wolff AC, Winer EP; American Society of Clinical Oncology. American Society of Clinical Oncology Guideline. Recommendations for sentinel lymph node biopsy in early-stage breast cancer. J Clin Oncol 2005; 23:7703-20.
  • Manser RL, Irving LB, de Campo MP, Abramson MJ, Stone CA, Pedersen KE, Elwood M, Campbell DA. Overview of observational studies of low-dose helical computed tomography screening for lung cancer. Respirology 2005; 10:97-104.
  • Marcus PM, Bergstralh EJ, Fagerstrom RM, Williams DE, Fontana R, Taylor WF, Prorok PC. Lung cancer mortality in the mayo lung project: impact of extended follow-up. J Natl Cancer Inst 2000; 92:1308-16.
  • Maziak DE, Darling GE, Inculet RI, Gulenchyn KY, Driedger AA, Ung YC, Miller JD, Gu CS, Cline KJ, Evans WK, Levine MN. Positron emission tomography in staging early lung cancer. A randomized trial. Ann Intern Med 2009; 151:221-8.
  • McLarty K, Reilly RM. Translational medicine: molecular imaging as a tool for personalized and targeted anticancer therapy. Clin Pharmacol Ther 2007; 81:420-4.
  • Meier DA, Brill DR, Becker DV, Clarke SE, Silberstein EB, Royal HD, Balon HR; Society of Nuclear Medicine. Procedure guideline for therapy of thyroid disease with 131Iodine. J Nucl Med 2002; 43:856-61.
  • Miles K, Burkill G. Colorectal cancer: imaging surveillance following resection of primary tumour. Cancer Imaging 2007; Spec No A:S143-9.
  • Miller TT. Bone tumors and tumor like conditions: analysis with conventional radiography. Radiology 2008; 246: 662-74.
  • Monti S, Galimberti V, Trifiro G, De Cicco C, Peradze N, Brenelli F, Fernandez-Rodriguez J, Rotmensz N, Latronico A, Berrettini A, Mauri M, Machado L, Luini A, Paganelli G. Occult breast lesion localization plus sentinel node biopsy (SNOLL): experience with 959 patients at the European Institute of Oncology. Ann Surg Oncol 2007; 14:2928-31.
  • Morana G, Stankiewicz A, La Torre E, Fuser M, Cugini C. Optimal imaging of focal liver lesions. Imaging Med 2010; 2:497-18.
  • Myers RE, Johnston M, Pritchard K, Levine M, Oliver T; Breast Cancer Disease Site Group of the Cancer Care Ontario Practice Guidelines Initiative. Baseline staging tests in primary breast cancer. CMAJ 2001; 164:1439-44.
  • Neves R. Física básica da ultrassonografia.
  • Obuchowski NA, Graham RJ, Baker ME, Powell KA. Ten criteria for effective screening: their application to multislice CT screening for pulmonary and colorectal cancers. AJR 2001; 176:1357-62.
  • Ollivier L, Leclère J, Dolbeault S, Neuenschwander S. Doctor-patient relationship in oncologic radiology. Cancer Imaging 2005; 5 Spec No A:S83-8.
  • Partridge E, Kreimer AR, Greenlee RT, Williams C, Xu JL, Church TR, Kessel B, Johnson CC, Weissfeld JL, Isaacs C, Andriole GL, Ogden S, Ragard LR, Buys SS; PLCO Project Team. Results from four rounds of ovarian cancer screening in a randomized trial. Obstet Gynecol 2009; 113:775-82.
  • Pisano ED, Gatsonis C, Hendrick E, Yaffe M, Baum JK, Acharyya S, Conant EF, Fajardo LL, Bassett L, D'Orsi C, Jong R, Rebner M; Digital Mammographic Imaging Screening Trial (DMIST) Investigators Group. Diagnostic performance of digital versus film mammography for breast-cancer screening. N Engl J Med 2005; 353:1773-83.
  • Poissonnier L, Chapelon JY, Rouvière O, Curiel L, Bouvier R, Martin X, Dubernard JM, Gelet A. Control of prostate cancer by transrectal HIFU in 227 patients. Eur Urol 2006; 51:381-7.
  • Ravenel JG, Mohammed TL, Movsas B, Ginsburg ME, Kirsch J, Kong FM, Parker JA, Reddy GP, Rosenzweig KE, Saleh AG; Expert Panels on Thoracic Imaging and Radiation Oncology-Lung. ACR appropriateness criterias noninvasive clinical staging of bronchogenic carcinoma. J Thorac Imaging 2010; 25: W107-11.
  • Renehan AG, Egger M, Saunders MP, O'Dwyer ST. Impact on survival of intensive follow up after curative resection for colorectal cancer: systematic review and meta-analysis of randomised trials. BMJ 2002; 324:813.
  • Robilotta CC. A Tomografia por emissão de pósitrons: uma nova modalidade na medicina nuclear brasileira. Panam Salud Publica 2005; 20:134-42.
  • Robilotta CC. Emission tomography: SPECT and PET Computación y Sistemas 2004; 7:167
  • Schoder H, Gönen M. Screening for cancer with PET and PET/CT: potential and limitations. J Nucl Med 2007; 48 Suppl 1:4S-18S.
  • Sehgal CM, Weinstein SP, Arger PH, Conant EF. Review of breast ultrasound. J Mammary Gland Biol Neoplasia 2006; 11:113-23.
  • Schmidt D, Szikszai A, Linke R, Bautz W, Kuwert T. Impact of 131I SPECT/spiral CT on nodal staging of differentiated thyroid carcinoma at the first radioablation. J Nucl Med 2009; 50:18-23.
  • Smith JJ, Sorensen AG, Thrall JH. Biomarkers in imaging: realizing radiology's future. Radiology 2003; 227:633-8.
  • Smith RA, Saslow D, Sawyer KA, Burke W, Costanza ME, Evans WP 3rd, Foster RS Jr, Hendrick E, Eyre HJ, Sener S. American Cancer Society Guidelines for Breast Cancer Screening: Update 2003. CA Cancer J Clin 2003; 53:141-69.
  • Stanley RJ. Inherent dangers in radiologic screening. AJR Am J Roentgenol 2001; 177:989-92.
  • Sutherland LM, Williams JA, Padbury RT, Gotley DC, Stokes B, Maddern GJ. Radiofrequency ablation of liver tumors: a systematic review. Arch Surg 2006; 141:181-90.
  • Verellen D, De Ridder M, Storme G. A (short) history of image-guided radiotherapy. Radiother Oncol 2008; 86:4-13.
  • Verellen D, De Ridder M, Linthout N, Tournel K, Soete G, Storme G. Innovations in image-guided radiotherapy. Nat Rev Cancer 2007; 7:949-60.
  • Vogl TJ, Naguib NN, Nour-Eldin NE, Rao P, Emami AH, Zangos S, Nabil M, Abdelkader A. Review on transarterial chemoembolization in hepatocellular carcinoma: Palliative, combined, neoadjuvant, bridging, and symptomatic indications. Eur J Radiol 2009; 72:505-16.
  • Vogl TJ, Zangos S, Eichler K, Yakoub D, Nabil M. Colorectal liver metastases: regional chemotherapy via transarterial chemoembolization (TACE) and hepatic chemoperfusion: an update. Eur Radiol 2007; 17:1025-34.
  • Wahl RL, Jacene H, Kasamon Y, Lodge MA. From RECIST to PERCIST: evolving considerations for PET response criteria in solid tumors. J Nucl Med 2009; 50 Suppl 1:122S-50S.
  • Wiener JI, Schilling KJ, Adami C, Obuchowski NA. Assessment of suspected breast cancer by MRI: a prospective clinical trial using a combined kinetic and morphologic analysis. AJR Am J Roentgenol 2005; 184:878-86.
  • Younes RN, Gross JL, Deheinzelin D. Follow-up in lung cancer: how often and for what purpose? Chest 1999; 115:1494-9.
  • Yu LS, Chojniak R, Borba MA, Girão DS, Lourenço MT. Prevalence of anxiety in patients awaiting diagnostic procedures in an oncology center in Brazil. Psychooncology 2011; 20:1242-5.

LIMITE DE ALUNOS

Mínimo de 5 alunos e máximo de 50 alunos

Metodologia da Pesquisa Científica

Professores responsáveis
José Vassallo e Fernando Augusto Soares

Período 
16/08/2018 a 13/12/2018, quinta, das 14h às 17h

Local 
Auditório Dr. Humberto Torloni

Créditos

5 créditos

OBJETIVOS

Transmitir aos alunos conhecimentos básicos sobre metodologia científica, com ênfase no preparo de projetos, desenho de estudos clínicos, interpretação de resultados de pesquisa clínica, preparo de manuscritos e apresentações de trabalhos científicos.

JUSTIFICATIVA

Dúvidas autênticas quanto a utilização de meios diagnósticos e terapêuticos fazem parte da prática diária dos oncologistas. Saber pesquisar e interpretar dados publicados na literatura são obrigatórios para o exercício profissional e elaboração de projetos de pesquisa. O conhecimento dos vários tipos de desenho dos estudos, com suas virtudes e deficiências, é crucial para atingirem-se os objetivos formulados. A aplicação cuidadosa dos princípios e métodos de epidemiologia clínica requerem um profundo conhecimento e desenvolvimento de uma maneira particular de pensar. Todo conhecimento adquirido deve ser comunicado oralmente e por escrito à comunidade científica, para que possa ser discutido e aplicado. Assim, uma revisão completa de todos os passos de elaboração até a publicação do trabalho científico são abordados neste curso.

CONTEÚDO

  • Aulas teóricas
  • Trabalhos Práticos

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

  • Os alunos serão avaliados pela nota de apresentação nos seminários.
  • Participação no trabalho prático.

REFERÊNCIAS

  • A proposal for more informative abstracts of clinical articles - ad hoc working group for critical appraisal of the medical literature. Ann Inter Med 1987; 106:598:604.
  • Bender AE. How to write a scientific paper. J Roy Soc Health 1997; 117: 17-9.
  • Berquó ES, Souza JMP, Gotlieb Sld. Bioestatística. São Paulo: EPU; 1981.
  • Dawson-Sanders B, Trapp RG. Basic & clinical bistatistics. 3rd ed. New York: Lange Medical; 2001.
  • de Meis L, Velloso A, Lannes D, Carmo MS, de Meis C. The Growing Competition in Brazilian science: rites of passage, stress and burnout. Braz J Med Biol Res 2003; 36:1135-41.
  • Docherty M, Smith R. The Case for structuring the discussion of scientific papers. BMJ 1999; 318:1224-5.
  • Earnshaw JJ, Farndon JR, Guillou PJ, Johnson CD, Murie JA, Murray GD. A comparison of reports from referees chosen by authors or journal editors in the peer review process. Ann R Coll Surg Engl 2000; 82(4 Suppl):133-5.
  • Eger EI. A template for writing a scientific paper. Anesth Analg 1990: 70: 91-6.
  • Forattini OP. A língua franca da ciência. Rev Saúde Pública 1997; 31:3-8.
  • Goldman L, Loscalzo A. Fate of cardiology research originally published in abstract form -Special Article. N Engl J Med 1980; 303:255-9.
  • Gore AM, Jones G, Thompson SG. The Lancet s statistical review process: areas for improvement by authors. Lancet 1992; 340:100-2.
  • Hulley SB, Cummings SR. Designing clinical research. Baltimore: Williams & Wilkins; 1988.
  • Lawrence PA. The politics of publication. Nature 2003; 422:259-61.
  • Lilleyman JS. How to write a scientific paper: a rough guide to getting published. Arch Dis Childhood 1995; 72:268-70.
  • Magalhães MN, Lima ACP. Noções de probabilidade e estatística. São Paulo: EDUSP; 2002.
  • Moher D, Cook DJ, Eastwood S, Olkin I, Rennie D, Stroup DF, for the Quorom Group Improving the quality of reports of meta-analyses of randomised controlled trials: the quorum statement. Lancet 1999; 354:1896-900.
  • Pereira MG. Epidemiologia teoria e prática. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 1999.
  • Price PM. Prepare to publish. Dynamics 2000; 11:12-7.
  • Radford DR, Smillie L, Wilson RF, Grace AM. The criteria used by editors of scientific dental journals in the assessment of manuscripts submitted for publication. Br Dent J 1999; 187:376-9.
  • Rosenberg LE. The physician-scientist: an essential - and fragile - link in the medical research chain. J Clin Invest 1999; 103:1621-6.
  • Saha S. Impact factor: a valid measure of Journal quality? J Med Library Assoc 2003; 91:42-6.
  • Santos I, Clos AC. Resumos mais informativos para trabalhos de pesquisa: proposta de um modelo. Rev Bras Enferm Brasilia 1996; 49:135-46.
  • Sauaia N, Sauaia MA. Redação do trabalho científico. Arq Bras Cardiol 1983; 40:77-82.
  • Sauaia N. Redação do trabalho científico. Arq Bras Cardiol 1983; 40:149-53.
  • Shambaugh GE Jr. How to write (and publish) a medical paper and how to deliver it. Laryngoscope 1982; 92:494-6.
  • Singer AJ, Homan CS, Brody M, Thode HC Jr, Hollander JE. Evolution of abstracts presented at the Annual Scientific Meetings of Academic Emergency Medicine. Am J Emergency Med 1999; 17:638-41.
  • Snively WD Jr. How would you rewrite these paragraphs? 21 tips to help you wirite a better clinical paper. Med Times 1980; 108:57-63.
  • Speer F. You can write a medical paper: news bulletin & allergy forum. Ann Allergy 1982; 49:61-6.
  • Weber EJ, Callaham ML, Wears RL, Barton C. Unpublished research from a medical specialty meeting why investigators fail to publish. JAMA 1998; 280:257-9.
  • Wilson JH Jr. Better written journal papers - who wants them? Science 1969; 165: 986-7.
  • Writing good abstract is not abstract writing. [Editorial] Arch Surg 1979; 114:11-2.

LIMITE DE ALUNOS

Mínimo de 5 alunos e máximo de 50 alunos

Onco-Urologia

Professores responsáveis
Stênio de Cássio Zequi e Gustavo Cardoso Guimarães

Períodos
1º 04/06/2018 a 08/06/2018
2º 06/08/2018 a 10/08/2018
Os matriculados deverão cumprir os dois períodos, de segunda a sexta, 13h às 17h

Local 
Auditório Dr. Humberto Torloni 

Créditos
5 créditos

OBJETIVOS

Depois de participar do curso, os alunos devem ser capazes de entender:

  • Conhecer o diagnóstico e o estadiamento das diversas neoplasias que acometem o trato genito-urinário (TGU).
  • Identificar os principais fatores prognósticos das neoplasias do TGU.
  • Reconhecer as principais neoplasias com caráter hereditário.
  • Entender os importantes aspectos da biologia molecular que estão em maior evidencia na atualidade, quer seja para o diagnóstico ou prognóstico.
  • Aprimorar os princípios técnicos que norteiam as diferentes neoplasias, mostrando aspectos recentes da técnica operatória que poderão ser incorporadas para um maior êxito em seus resultados, minimizando complicações e morbidades para seus pacientes. Estes ensinamentos poderão abreviar a curva de aprendizado do tratamento cirúrgico.
  • Poder propor tratamentos que poderão melhorar a qualidade de vida dos pacientes quer seja por problemas relacionados ao tratamento clínico ou cirúrgico.
  • Propor-se-á uma apresentação atualizada de cada tema abordado, discutindo fatores prognósticos e sua relevância para se obter os melhores resultados terapêuticos.
  • Mostrar as vantagens de tratamento de cada neoplasia baseada na evolução conforme o grupo de risco do paciente para cada neoplasia.

JUSTIFICATIVA

O nosso Programa de pós-graduação tem como característica a Multidisciplinariedade e uma significativa carga de informação a nível de ciência básica, principalmente em aspectos biomoleculares do câncer e em fatores epidemiológicos e estatísticos. Por outro lado é fundamental a atualização de debates constantes focados na melhoria dos cuidados aos nossos pacientes. Uma grande parcela dos nossos alunos são médicos, enfermeiros, e demais profissionais diretamente ligados aos cuidados do paciente. Todos devem estar atualizados a respeito dos mais adequados cuidados envolvidos no tratamento clínico, cirúrgico radioterápico etc. Neste curso, renomados profissionais de múltiplas instituições de ensino são trazidos deste modo para proferir suas palestras neste curso. Deste modo proporcionamos outras visões que deverão comparadas e servirão de complementação ao conhecimento gerado nesta Instituição.

CONTEÚDO

  • Módulo I: Câncer de Rim, bexiga, pênis, adrenal e miscelânea
  • Módulo II: Câncer de Próstata, testículo e tumores urológicos raros:

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

  • Participação nos Seminários e Avaliação.

REFERÊNCIAS

  • Artigos científicos que serão distribuídos ao longo do curso.
  • De Vita VT, Lawrence TS, Rosenberg SA. DeVita, Hellman, and Rosenberg's cancer: principles and practice of oncology. 9th ed. Philadelphia: J. B. Lippincott; 2011.
  • Faria EF, Seabra DDG e Machado RD. Uro-oncologia - dúvidas e controvérsias. São Paulo: Ed Novo Conceito; 2009
  • Halperin EC, Perez CA, Brady LW. Perez and Brady's: principles and practice of radiation oncology. 6th ed. Philadelphia: Lippincott, Williams & Wilkins; 2013.
  • Rossi BM, Pinho M. Genética e biologia molecular para o cirurgião. São Paulo: Lemar; 1999.
  • Vogelzang N, Scardino P T, Shipley W, Debruyne F, Linehan WM. Comprehensive textbook of genitourinary oncology. 3rd ed. Philadelphia: Lippincott, Williams & Wilkins; 2006. (principal)
  • Wein A, Kavoussi LR, Partin AW, Peters CA. Campbell's Walsh urology. 11th ed. Philadelphia: Elselvier; 2015. (principal)

LIMITE DE ALUNOS

Mínimo de 5 alunos e máximo de 50 alunos

Oncologia de Cabeça e Pescoço

Professor responsável
Luiz Paulo Kowalski

Período 
17/09/2018 a 28/09/2018, segunda a sexta, das 08h às 12h (quintas, das 7h às 12h)

Local
Auditório Dr. Humberto Torloni 

Créditos 
5 créditos

OBJETIVOS

A biologia dos tumores malignos de cabeça e pescoço é bastante diversa, assim como inúmeros são os problemas do diagnóstico e tratamento que permanecem controversos. Os objetivos principais deste curso destino a alunos do Curso de Pós-Graduação em Oncologia, são de fornecer informações atualizadas nas áreas de epidemiologia descritiva e analítica, biologia tumoral, diagnóstico precoce, novos métodos propedêuticos e princípios do tratamento multidisciplinar, que permitam a interpretação e aplicação do aplicação do conhecimento.

JUSTIFICATIVA

Os tumores malignos de cabeça e pescoço constituem um grupo de doenças de etiologia e história natural heterogênea, que correspondem cerca de 20% de todos os canceres diagnosticados em nosso meio em indivíduos do sexo masculino. O tratamento de escolha é, na maioria dos casos, cirurgia e/ou radioterapia. A cirurgia oncológica de cabeça e pescoço engloba conhecimento de diversas áreas como oncologia, neurocirurgia, oftalmologia, otorrinolaringologia, cirurgia endócrina, cirurgia plástica e braquiterapia (colaboração com especialistas em radioterapia). Dada a complexidade anatômica da região e envolvimento de múltiplas especialidades, a cirurgia de cabeça e pescoço constitui-se num segmento especial de cirurgia oncológica.

CONTEÚDO

  • Teórico
  • Seminários
  • Trabalhos Práticos

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

  • Participações nas aulas e nos seminários.

REFERÊNCIAS

  • Barbosa JF. Surgical Treatment of Head and Neck Tumors. New York: Grunne & Stratton; 1974.
  • Batsakis JG.Tumors of head and neck: clinical and pathological considerations. 2nd ed. Baltimore: Lippincott Willians & Wilkins; 1979.
  • Brandão L.G, Ferraz AR. Cirurgia de cabeça e pescoço. São Paulo: Roca; 1989.
  • Cummings CW. Otolaryngology - head abnd neck surgery. St. Louis, Mosby; 1993.
  • De Vita VT, Lawrence TS, Rosenberg SA. DeVita, Hellman, and Rosenberg's cancer: principles and practice of oncology. 9th ed. Philadelphia: J. B. Lippincott; 2011.
  • Donaldo PJ. Head and neck cancer: management of the difficult case. Philadelphia: W. B. Saunders; 1984.
  • Ferlito A. Neoplasms of the larynx. Edinburg: Churchill Livingstone; 1993.
  • Haagensen CD, Feind CR, Herter FP, Slanetx CA Jr, Weinberg JA  The lympatics in cancer. Philadelphia: W. B. Saunders; 1972.
  • Jones AS, Phillips DE, Hilgers FJM. Diseases of the head and neck, nose & throat. New York: CRC Press; 1998.
  • Lopes A, Costa CML, Soares FA, Guimarães GC, Yeyasu H, Kowalski LP, Fanelli MF, Silva MLG, Chojniak R, Costa Júnior WL. Manual de condutas diagnósticas e terapêuticas em oncologia. 4ª ed. São Paulo: Âmbito Editores; 2017.
  • Loré JM. Cirurgia de cabeza y cuello. Buenos Ayres: Panamerica; 1990.
  • Memorial Sloan-Kettering Cancer Center. Cancer of the head and neck. New York: MSKCC; 1994.
  • Million RR, Cassissi NJ. Management of head and neck cancer: a multidisciplinary approach. Philadelphia: J. B. Lippincott; 1984.
  • Myers EM. Head and neck oncology: diagnosis, treatment, and rehabilitation. Boston: Little, Brown; 1991.
  • Myers EN, Suen JY. Cancer of the head and neck. New York: Churchill Livingstone; 1989.
  • Naumann HH. Head and neck surgery. Philadelphia, W. B. Saunders; 1980.
  • Peckham M, Pinedo H, Veronesi oxford textbook of oncology. Oxford: Oxford University Press; 1995.
  • Rouvière H. Anatomie des lymphatiques de l'homme. Paris: Mason; 1932.
  • Sammii M, Cheatham ML, Becher DP. Atlas of cranial base surgery. Philadelphia: W. B. Saunders; 1995.
  • Shah JP. Head and neck surgery. 2nd ed. Baltimore: Mosby-Wolfe; 1996.
  • Shekhar LM, Janecka IP. Surgery of cranial base tumors. New York: Raven Press; 1993.
  • Silver CE. Atlas of head and neck surgery. New York: Churchill Livingstone; 1986.
  • Soutar DS, Tiwari R. Excision and reconstruction in head and neck cancer. Edimburgh: Churchill Livingstone; 1994.
  • Taylor I, Cookr TG, Guillou P. Essential general surgical oncology. London: Churchill Livingstone; 1996.
  • Thawley SE, Panje WR, Batsakis JG. Comprehensive management of head and neck tumors. 2nd ed. Philadelphia: W B Saunders; 1999.

LIMITE DE ALUNOS

Mínimo de 5 alunos e máximo de 50 alunos

Oncologia Molecular: Bases e Fundamentos dos Testes Moleculares da era Pós-Genômica.

Professor responsável
Dirce Maria Carraro

Período 
13/08/2018 a 17/08/2018
Aulas teóricas: segunda a sexta, das 8h30 às 13h30
Aulas práticas: quinta e sexta, das 14h às 15h30

Local
 
Sala 1 - Pós-Graduação

Créditos 
5 créditos

OBJETIVOS

Fornecer uma visão atualizada de testes moleculares e genômicos em oncologia e discutir aspectos para implementação e interpretação.

JUSTIFICATIVA

Os avanços nas abordagens genômicas e moleculares vivenciados nos últimos anos tem levado a identificação de características genéticas e moleculares que podem influenciar tanto a susceptibilidade de um indivíduo a desenvolver doenças como também a resposta de um indivíduo a um determinado tratamento.

Essa nova realidade tem impactado a área da oncologia com um grande número de testes moleculares e genômicos disponíveis que oferece suporte à decisão clínica e tem contribuído com a prática de uma medicina mais personalizada.

A incorporação com sucesso destes testes na rotina clínica - tanto de sua implementação como da interpretação deles - requer conhecimento das bases da biologia molecular, das abordagens moleculares e genômicas, além do conhecimento da base genética e molecular do câncer. O domínio destes conceitos são cruciais para acelerar a transferência dos achados científicos em marcadores úteis para a clínica oncológica.

Neste contexto, o curso pretende fornecer a biólogos, médicos e estudantes de áreas relacionadas, uma visão atualizada dos testes moleculares e genômicos em oncologia além de discutir os desafios para desenvolvimento de novos biomarcadores para câncer.

CONTEÚDO

Serão abordados os seguintes conteúdos:

  • Conceitos sobre a propriedade e estrutura do DNA e o Fluxo da informação genética.
  • Fundamentação do Sequenciamento de DNA baseado no método Sanger.
  • Genoma Humano: NP e variação estrutural
  • Bases moleculares e genéticas do Câncer
  • Descrição de Métodos para Identificação de biomarcadores moleculares
  • Conceito de Medicina Personalizadas
  • Descrição dos Testes para predição de resposta a droga alvo para tumores sólidos
  • Descrição dos Testes oncogenéticos - sequenciamento e anormalidades estruturais em genes de predisposição ao Câncer
  • Sequenciamento de próxima geração e suas aplicações na oncologia clínica
  • Discussão de publicações relacionadas com temas abordados.

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

  • Participação em sala de aulas e avaliação escrita.

REFERÊNCIAS

  • Dienstmann R, Rodon J, Barretina J, Tabernero J. Genomic medicine frontier in human solid tumors: prospects and challenges. J Clin Oncol 2013; 31:1874-84.
  • Coleman WB, Tsongalis JG. Essential concepts in molecular pathology (Capítulos: 6,7 e 12). New York: Academic Press; 2010.
  • Lewin B. Gene VII. (Capítulos 1.1, 1.2, 3.9 e 6.28). 7th ed. Oxford: Oxford University Press; 1999.
  • Metzker ML. Sequencing technologies - the next generation. Nat Rev Genet 2010; 11:31-46.
  • Ulahannan D, Kovac MB, Mulholland PJ, Cazier JB, Tomlinson l. Technical and implementation issues in using next-generation sequencing of cancers in clinical practice.  Br J Cancer 2013; 109:827-35.

LIMITE DE ALUNOS

Mínimo de 5 alunos e máximo de 50 alunos

Patologia dos Tumores

Professores responsáveis
Marina De Brot, Maria Dirlei Begnami e Isabela Werneck da Cunha

Período 
06/08/2018a 29/08/2018, segundas, terças e quartas, das 9h às 12h

Local 
Auditório Dr. Humberto Torloni

Créditos 
5 créditos

OBJETIVOS

Transmitir aos alunos conhecimentos básicos sobre o diagnóstico anatomopatológico de tumores, bem como das características morfológicas de malignidade e benignidade dos tumores.

JUSTIFICATIVA

Necessidade do aluno reconhecer as primeiras características da progressão tumoral a fim de caracterizar as neoplasias como benignas e malignas, visando a conduta terapêutica a ser adotada.

CONTEÚDO

  • Banco de tumores: conceitos atuais, implantação e legislação
  • Anatomia Patológica: o cão-guia da medicina,
  • Distúrbios do crescimento celular e aspectos gerais das neoplasias
  • A diferenciação tumoral e as principais alterações moleculares em neoplasias malignas de importância para a prática clínica
  • O fenômeno de transição epitélio-mesênquima e sua aplicação na fisiopatogênese das neoplasias
  • Mecanismos de Metástases, Fernando Soares / Hibridação in situ
  • Tumores renais: um novo paradigma de classificação morfo-molecular
  • Aspectos atuais nas neoplasias da próstata
  • Aspectos atuais nas neoplasias da próstata
  • Patologia molecular das neoplasias da mama
  • Biomarcadores úteis no planejamento do tratamento dos tumores de mama

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

As notas para a aprovação destes alunos foram baseadas nas apresentações, participações dos seminários e frequência às aulas.

REFERÊNCIAS

  • Al-Sam SZ, lakhani SR, Davies JD. Practical atlas of pseudomalignancy benig lesions mimicking malignancy. London: Arnold; 1998.
  • Cotran RS, Kumar V, Collins T. Robbins pathologic basis of disease. 6th ed. Philadelphia: W. B. Sauders; 1999.
  • Damjanov I, Linder J. Anderson's pathology. 10th ed. St Louis: Mosby-Year Book; 1996.
  • Fletcher CDM. Diagnostic histopathology of tumors. Edinburgh: Churchill Livingstone; 1995.
  • Rosai J. Ackerman's surgical pathology. 8th ed. St Louis: Mosby-Year Book; 1995.
  • Silverberg SG, Delellis R, Frable WJ. Principles and practice of surgical pathology and cytopathology. Edinburgh: Churchill Livingstone; 1997.
  • Stenberg SS, Carter D, Mills SE, Oberman HA. 3rd ed. Diagnostic surgical pathology. Philadelphia: Lippincott-Raven; 1999.
  • Wick MR, Humphrey PA, Ritter JH. Pathology of pseudo neoplastic lesions. Philadelphia: Lippincott-Raven; 1997.

LIMITE DE ALUNOS

Mínimo de 5 alunos e máximo de 50 alunos
Scientific Communication in English (Somente para alunos regulares) 

Professores responsáveis
Giovana Torrezan, Tiago Goss, Victor Piana de Andrade

Período
12/03/2018 a 21/05/2018 (entre 15 e 21/04/2018, as aulas serão suspensas devido o AACR), segunda e quarta, das 8h30 às 10h30

Local 
Sala 1 - Pós-Graduação
Haverá uma entrevista com os alunos interessados 

Créditos
5 créditos

OBJETIVOS

Preparo técnico do aluno para a comunicação oral e escrita no ambiente científico.

JUSTIFICATIVA

O cenário atual e a internacionalização exigem que o aluno tenha fluência em Inglês.

CONTEÚDO

  • Speaking - Elevator Speech - ES
  • Elements (structure), examples, create your own ES
  • Exchange experiences, improve your own ES
  • Grammar lessons - improve your ES
  • inter student ES critique - improve your own ES
  • Oral Presentations - Meeting a Professional  Style
  • How to introduce someone to the audience
  • How to make questions using common sentences
  • How to answer questions using common sentences
  • Audi
  • Writing Scientific Papers
  • The structure of a scientific paper and how to write it
  • Sections Structure: introduction, methods, results, discussion, conclusion
  • Sentence structure: types of sentence, cutting unnecessary words
  • Grammar lessons on sentence structure
  • Paragraph structure: topic sentences, emphasis
  • Grammar lessons on paragraph structure
  • Abstract structure: proportion across sections
  • Title: impact of words in the title, balance between being persuasive and telling the truth
  • Poster preparation
  • Distinct points of view: editors, journals, researchers
  • Cover Letter / Questions about the final oral presentation
  • How to answer a reviewer/ Questions about the final oral presentation
  • Poster - Oral presentations

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

Serão utilizados 3 avaliações para composição do conceito final, conforme descrito no programa da disciplina acima:

  • Elevator Speech
  • Introduction of a paper based on given abstract
  • Oral presentation

REFERÊNCIAS

  • Azar BS, Hagen SA. Understaning and using english grammar. 4th ed. Pearson Education ESL, 2009.
  • Currie P. Staying out of trouble: apparent plagiarism and academic survival. J Second Language Writing 1998; 7:1-18.
  • Day RA, Gastel B. How to write and publish a scientific paper. 6th ed. California: Greenwood Press; 2006.
  • Howard R. A plagiarism pentimento. J Teaching Writing 1992; 11:23-45.
  • Huth EJ. Writing and publishing in medicine. 3rd ed. Philadelphia: Lippincott, Williams & Wilkins, 1999.
  • Kramer M, Glenn L, Mead CD. Prentice hall handbook for writers. 12th ed. New Jersey: Prentice Hall, 1995.
  • Pecorari D. Good and original: plagiarism and patch writing in academic second-language writing. J Second Language Writing 2003; 12:317-45.
  • Pennycook A. Borrowing others' words: text, ownership, memory and plagiarism. TESOL Quarterly 1996; 30:201-30.
  • Swales JM, Feak CB. Academic writing for graduate students: essential tasks and skills. 2nd ed. Ann Arbor: University of Michigan Press; 2004.
  • Swales JM, Feak CB. English in today's research world: a writing guide. Ann Arbor: University of Michigan Press, 2000
  • Taylor RB. Clinician's guide to medical writing. New York: Springer; 2009.
  • Eletronic resources: http://aargrammar.com/materials/index.html

LIMITE DE ALUNOS

Mínimo de 5 alunos e máximo de 15 alunos
Seminários Integrados em Ciências

Professores responsáveis
Rubens Chojniak - Conselho de Pós-Graduação

Período 
21/02/2018 a 12/12/2018, todas as quartas, das 7h às 8h

Local: 
Auditório Senador José Ermírio de Moraes

Créditos:
15 créditos para Mestrado/Doutorado

OBJETIVOS

Essa disciplina tem por objetivo a difusão de conhecimentos de diferentes áreas e constituem a base para a integração de docentes e discentes do programa e também para intercâmbio com pesquisadores e personalidades de outras áreas de atuação e instituições.

JUSTIFICATIVA

Desenvolvida em conjunto com a tradicional reunião de quarta-feira do A.C.Camargo Cancer Center as reuniões desta disciplina abordam temas ecléticos e atuais.
Além de apresentações relacionadas às mais diversas atividades científicas e assistenciais desenvolvidas na instituição, oferece a oportunidade de contato com renomados profissionais de outras áreas de atuação e instituições.

CONTEÚDO

  • Apresentação de convidados internos e externos: Professores e personalidades de diferentes áreas de atuação.
  • Linhas e Projetos de pesquisa: Docentes e discentes internos e externos de diferentes áreas de atuação.
  • "Hot Papers" do ACC: Sessões dedicadas ao destaque dos melhores trabalhos institucionais já publicados.

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

O aluno deverá obter 75% no ano em que se matricular na disciplina.

REFERÊNCIAS

As referências serão fornecidas pelos palestrantes, quando for pertinente.

LIMITE DE ALUNOS

Mínimo de 5 alunos e máximo de 150 alunos

 

Todos os cursos estão sujeitos à mudança de local e data.

Mais informações:
(11) 2189-5113 / 2189-5000 - Ramal 2031
E-mail: posgrad@accamargo.org.br